Bar do além

Proxima tertulia com almoço debate dia 19 Maio 2018 : Dona Isabel de Aragão com Carlos Dugos - 17Abr2018 16:27:00




Da obra:

Nesta obra o autor Carlos Dugos, ao recriar a RAINHA SANTA ISABEL - a personagem isabelina, deu-lhe voz, pensamentos e atos, acompanhando-a, na intimidade, desde a adolescência, em Barcelona, quando casou por procuração com Dinis, Rei de Portugal, até à sua morte em Estremoz.

Segue a linha rigorosa dos eventos históricos, onde incorpora episódios de ficção, incluindo aspetos lendários, tudo no sentido de dar vida à personagem central, mulher de exceção, pelo seu porte espiritual e intelectual.

Do autor:

Carlos Dugos nasceu em Lisboa, em 1942. Em 1958 foi viver para Lourenço Marques, então capital de Moçambique, regressando a Portugal em 1967.

Entre 1962 e 1974 exerceu o jornalismo em Moçambique, República da África do Sul e Portugal.

A partir de 1974 Carlos Dugos,dedicou-se exclusivamente à pintura, atividade que praticou ininterruptamente desde 1958 até ao presente. veja-se aqui um dos seus quadros simbólicos coma representação de Dona Isabel de Aragão: http://simbolismo.pt/fe-esperanca-caridade-algumas-consideracoes-tematicas-acerca-pintura/
  

Realizou dezenas de exposições individuais em Portugal e no estrangeiro, existindo álbuns gráficos dedicados a quatro dos seus ciclos de trabalhos: ?Jogos Reais em Vinte Pinturas?? Hugin, Editores, Lisboa, 2001; ?Lisboa ? os Mitos da Memória?? ed. ACD, Lisboa, 2006; ?O Eterno Feminino? ed. Museu da Água, Coimbra, 2008 e ?Vieira ? o Verbo e a Luz? ? ed. Centro de Estudos de Filosofia UC, Lisboa, 2008.

Desde 1976 dedicou-se ao estudo da metafísica ocidental com particular incidência nas questões simbólicas. Neste âmbito proferiu palestras e conferências a convite de várias instituições.

Em 1999 Hugin, Editores, Lisboa, publicou o seu ensaio de carácter metafísico Tradição e Simbólica do Princípio Real ? 154 pp. Em 2012 é publicado o seu romance O Ferro de Marcar Escravos ? Createspace, USA.

TERTULIA CULTURAL DO BAR DO ALEM sobre RAINHA DONA ISABEL de ARAGAO E ALENQUER dia 19 de MAIO, em ALMOÇO DEBATE na Sala de Convivio do Alenquer Camping.
 
O autor Carlos Dugos esta disponível para uma TERTULIA NO BAR DO ALEM sobre este tema, do seu livro ROSA de ARAGAO s/ D. Isabel mulher e D. Dinis (a Rainha Santa Isabel). Aguardam-se portanto inscrições para se confirmar a data que interesse ao maior numero de membros da tertúlia, que será sábado, dia 19 de Maio de 2018, em almoço debate, com inicio... as 12h- apresentação do tema seguido de debate, e depois com almoço nas instalações do Alenquer Camping em Alenquer, N nº9, Km 94, ao preço da refeição tudo incluído, com IVA por 20?/pax. Informações pelo mail bar.do.alem@gmail.com , duvidas tel 913009590
reservas e marcações IBAN PT50.0033.0000.4541.5435.89105
Rappel:
Data 19 de Maio, sábado , Inicio as 12h- sala do Bar do Alem, Alenquer Camping, N Nº 9, Km 94 em Porto da Luz, Alenquer
Ementa: Entradas variadas, Arroz de Pato a Portuguesa, Sobremesa Surpresa, vinhos DOC Alenquer, café.
Programa:
12h- intervenção do Orador Carlos Dugos
12,45- perguntas e respostas aos participantes com o moderador Luis Nanidn de Carvalho
13, 15- vendas e dedicatórias nos livros do autor (livro 15?)
13, 30- almoço com debate entre os participantes
.......................................
Carlos Dugos já editou, e está a venda:
?A ROSA DE ARAGÃO?
Biografia ficcionada de uma figura histórica empolgante que influiu decisivamente na estruturação daquilo que António Quadros designou como ?projecto áureo português?. Acompanha-se a vida de Isabel, referindo os eventos e imaginando as suas palavras, pensamentos e actos, desde a sua adolescência em Barcelona, enquanto Infanta de Aragão, por altura do seu casamento por procuração com D. Dinis de Portugal, até à sua morte em Estremoz que ocorreu quando tentava evitar a guerra entre Portugal e Castela. 337 páginas.

...............................
OUTRA BIBLIOGRAFIA e DOCUMENTAÇAO
http://bardoalem.blogspot.pt/2010/11/como-correu-tertulia-com-tersa-mota-e-o.html
http://almadeisabel.blogspot.pt/p/o-milagre-das-rosas-e-alenquer.html 
https://www.visitarportugal.pt/distritos/d-lisboa/c-alenquer/alenquer/paco-rainha-santa-isabel
http://www.cm-alenquer.pt/CustomPages/ShowPage.aspx?pageid=5ea1827b-d0bc-4c35-a97e-2e3ae2027237
http://carlosnogueira.tripod.com/id22.html


Fonte: http://bardoalem.blogspot.com/2018/04/proxima-tertulia-com-almco-debate-dia.html



Ainda há misterios? Qual é o Grande e Maior Misterio? - comunicaçao de Luis Nandin de Carvalho no 40º aniversário do GIFI - 13Dez2016 23:50:00






Que são ?os Mistérios?? Ainda existem?
Luís Nandin de Carvalho
No 40º aniversário do GIFI
Gabinete de Investigação de Fenómenos Insólitos
Lisboa, 10 de Dezembro de 2016, 16.30h
Palácio da Independência

Citação: o saber humano reside na intercomunicação entre o imaginário e o real, o logico e o afetivo, o especulativo e o existencial, o inconsciente e o consciente, o sujeito e o objeto, devido a hipercomplexidade cerebral da consciência. In Edgar Morin, ?O Paradigma perdido- a natureza humana?, ed. Europa América, Lisboa, 1973, pág. 128



Começando por agradecer?. E felicitar o GIFI

O meu agradecimento aos promotores desta iniciativa semipública, logo de matriz de porta entreaberta. Apresento os meus parabéns pelo 40º aniversário do GIFI- Gabinete de Investigação de Fenómenos Insólitos, e uma primeira nota sobre a feliz convergência neste local, com esta denominação, nesta data, e já sob o signo da renovação anual pelo solstício de inverno, com o início do crescer dos dias a partir de 21 de Dezembro, do tempo de luz, e da submissão à radiação solar! Os meus agradecimentos também, aos meus colegas de mesa, onde se encontram simbolicamente, 3 membros e oradores da Tertúlia do Bar do Além, de Alenquer, que desde sempre cooperou com o GIFI.

Índice de temas:

1-A semântica, significado e conteúdo do conceito de mistério
2- Os mistérios insólitos e fantásticos
3- A perceção individual ou coletiva dos mistérios
4- A questão de fundo da Misteriologia e as metodologias
5- Mistérios e Teoria do Conhecimento. Conclusões.

1-    Introdução semântica.

Na época em que vivemos, é sempre necessário contextualizar as afirmações que se fazem em público. Importa evitar que perante uma heterogeneidade qualificada de interlocutores, como é o caso, a  não ponderação desta,  faça incorrer o orador em mal entendidos, e desde logo contribuir para alimentar labirínticas polémicas indesejadas, e possivelmente, resultantes do atrevimento da sua ignorância.

Não desejamos incorrer em tal imparidade, sempre provável e de alto risco, perante a qualificação dos presentes e do track record da atividade do GIFI, ao longo dos seus 40 anos de existênciae de que hoje todos nós beneficiamos e homenageamos. 

Todavia, há que definir agora, para a minha intervenção, um mínimo ponto de partida, e este, em vez de ser rebuscado em tratados, enciclopédias ou teses doutorais, ganha em facilidade de comunicação e de entendimento, se recorrermos ao Dr. Google, e este, tal como o Dr. Sabichão dos Jogos Majora, de antanho, aponta, logo à pergunta, - que são os Mistérios? para a resposta: -Wikipédia!...e que nos diz o seguinte:

Mistério, em geral, é algo secreto, escondido, de significado ou causa oculta; um fenômeno que ocorre e não se em conhecimento de quais as causas; algo que não se pode explicar. Também pode ser sinônimo de suspense. Mistério vem do grego, mystérion, coisa secreta, tem relação com a ação de calar a boca; o verbo é mýein, fechar, se fechar, calar, mýstes, que se fecha, o que guarda segredo, o iniciado.
Aprofundando, e recorrendo ao Dicionário de Filosofia (brasileiro) de Sergio Biagio Gregório, (ver aqui, de onde transcrevemos, com glosas, e por isso sem citações, um texto incluído no web site:

Mistério, é o que é inexplicado a posteriori ao fim da sua verificação como fenómeno, distingue-se pois dos casos em que independentemente da verificação comprovada, já há uma explicação prévia, ou seja, a afirmação de um dogma, como por exemplo: -que a Virgem Maria concebeu, nesse estado, Jesus Cristo, por obra do Espirito Santo. Aqui não há em rigor Mistério, pois os dogmas (sagrados, religiosos) não se inserem no conceito (profano) de mistério. A sua resolução e compreensão, situa-a se a outro plano, o da crença e o da fé.

 O que é inexplicado, é o mistério e não o dogma, que esse sim, é inexplicável, e é o mistério, que nos deixa perplexo e incita à investigação (?.) Na linguagem popular, indica tudo o que secreto e é ocultado, (ate por quem tenha a explicação) e que só é conhecida de um, ou poucos, que guardam sigilo, restando o fenómeno inexplicado para a generalidade das pessoas.  

Nas religiões e Escolas antigas, ?Mistérios? era o conjunto dogmático, de práticas, dos ritos e das doutrinas secretas que se davam em parte, ao culto popular e legal, reservado os dogmas apenas aos iniciados (?..) com símbolos que os aprontam aos iniciados, e os encobrem aos profanos.

Assim no sentido de dogma, se falava dos mistérios no helenismo antigo, e utilizado no plural, designava propriamente o culto e os ritos de certas religiões reservados aos iniciados (de iniciar nos dogmas, mistérios): estão neste caso os mistérios órficos, os mistérios de Dioniso; de Elên; de Enki/Suméria; de Ísis/Egipto; de Eleusis, de Deméter/Grécia; de Mithra e Zoroastro/Pérsia; de Melquisedek e Henoch/Hebreus; de Ódin/Celtas) ou das Escolas Arcânicas (de Luxor, Hermes e Alexandria/Egipto; Pitagóricas e Samotrácia/Grécia; Endovélico-Atlantes/Luxitânia; e dos Colégios Romanos), mistérios, todos eles sobre a de Compreensão do Universo, e do Cosmos, em último ratio.

Enquanto  os Mistérios na teologia cristã, mistério é um dogma de uma exigência da fé,  só compreensível para além da compreensão humana, como, por exemplo, a Santissima Trindade que deriva do amor criador e salvador, de um Deus que se fez homem para salvar todos os homens, comunicando-lhes a sua própria vida imortal.
Toda a realidade, religiosa ou não, de conhecimento generalizado difícil, ou mesmo impossível, tem vindo a ser considerada como mistérios, enquanto a reflexão transcendental e/ou divina e mística, e a iniciação sacralizada, aliada ao desenvolvimento do conhecimento científico profano se tem desdobrado em explicações racionais e objetivas, que procuram desvendar o aparentemente opaco e oculto, e colocá-lo ao alcance da perceção e compreensão das inteligências humanas.
Desde muito cedo, que conceito de mistérios também faz parte portantodo vocabulário cristão, a significar inicialmente os acontecimentos fundamentais da vida de Jesus, particularmente o seu nascimento e morte, bem como as figuras e os acontecimentos do Antigo Testamento que, num sentido alegórico, prefiguram "mistérios do Logos" (São Justino, Apologia, I, 13;Diálogo, 74, 91).
Mas logo que o inicial conceito grego de mistério se alterou, a partir, sobretudo, da teologia alexandrina e do neoplatonismo, foram entendidas como mistérios todas as grandes verdades da religião cristã, (dogmas) conduzida por Cristo, na sua função de mistagogo, o gnóstico cristão terá de passar por iniciação nos pequenos mistérios -como por exemplo a doutrina sobre a criação do mundocomo segredo de DeusCriador) antes de chegar à iniciação nos grandes mistérios da comunhão com o Logos celeste, e do conhecimento da Trindade  Pai, Filho e Espirito Santo.
Inteligíveis em si mesmos, mas só com referência à inteligência divina, os mistérios ou dogmas cristãos, podem ser-nos comunicados (mas não explicados) por revelação. E, uma vez revelados, é possível demonstrar que não são absurdos, e que o seu sentido pode ser apreendido pela fé, pois que, sem aquela, e de outro modo, persistem aspetos que a meditação e a experiência só esclarecem parcialmente. De resto, as verdades reveladas dirigem-se à crença (dos escolhidos) mais do que à inteligência, e sempre com o solicitar da sua adesão, não pela razão, mas por um ato de fé razoável.
No Cristianismo, acentua-se o caráter mistérico das verdades reveladas, já que ultrapassam as capacidades da razão para as conhecer só por si. Daí a ligação intrínseca de mistagogia, mistério e mística, traçando a ideia da comunicação voluntária e amorosa de Deus ao homem e, paralelamente, a exigência de uma iniciação, o que claramente nada tem a ver com os Mistérios do mundo Helénico, assentes na busca da compreensão do Cosmos e das regras Universais que o regem. 
Se para o homem a finalidade do desafio do mistério, é o de poder ser  desvendado e revelado, explicado e apreendido mediante uma iniciação no plano do conhecimento, e se para tal se exige para alem da simples motivação individual profana, mais do que isso, o agir com fée amor, tal implica sempre não só a pré-disposição do homem mas a comunicação  a receção, como dom do divino. A solução então, não se afigura  fácil pelas diversidades na  divergência de caminho metodológico.  Mas sempre se dirá, que a iniciação (transmissão) só se dá quando na enigmática equação Mestre e Discípulo, estão preparados simultaneamente.
Assim, uma prevenção importa registar: a descoberta da explicação dos mistérios, estará objetivamente ao alcance de todos (profanos)? Ou só está acessível, no patamar da possibilidade de serem desvendados, subjetivamente, a uns poucos, selecionados e escolhidos ou abençoados, previamente, por uma via sagrada ou espiritual?- Se assim for, a questão oculta de saber qual é o mistério, desloca-se da sua existência (intrínseca) para a existência de como se processou a escolha (extrínseca) do observador? o iniciado escolhido. 
Deste modo, sempre se dirá, que a iniciação (transmissão) só se dá quando Mestre e discípulo estão preparados simultaneamente, simplesmente, no caso dos mistérios na aceção cristã, o ponto de partida é sempre o do sujeito recetor, ou seja, só a alguém, abençoado ou escolhido, e que bate a porta na demanda, é que poderá ser esclarecido do Mistério (s)?.e a porta do conhecimento, neste caso não se abre aos não escolhidos. 
Ora não é esse o mistério subjetivo de que nos ocupamos, mas sim o caso do mistério objetivo o que existe por si, e de per si, e não em função da qualidade do observador. 
Coloca-se assim a dúplice aproximação interpretativa: 
a)     pela via espiritual e pela via mental, de forma intuitiva, e indutiva. 
b)    pela via material dita orgânica do racional preceptivo de forma dedutiva ?. 
Anota o autor Alexandre Castro Caldas,  (Ver do autor citado: ?A Herança de Franz Joseph Gall- o cérebro ao serviço do comportamento humano?, Mc Graw Hill, pag.267):
??. A separação espirito/matéria, levanta a  questão ?das relações entre a consciência, e os outros fenómenos mentais, por um lado, e o cérebro pelo outro: A consciência e todos os fenómenos mentais são causados por processos neurobiológicos inferiores  do cérebro, e  a consciência e os  outros fenómenos mentais são características superiores do cérebro?.(mas) ? como se transforma a passagem do estímulo na sinapse, para um fenómeno consciente? Questionamos nós, -não será por fenómenos subconscientes  de sono (ou perceção) vígil? ? Trata-se de matéria de estudo para os neurocientistas, neurobiólogos e neurologistas, e mais cientistas e psicólogos da especialidade. Haverá que ponderar a possibilidade de obtenção de respostas objetivamente fiáveis pela via da intuição, da indução, da sensação, e da perceção emocional?

2-    A questão dos mistérios insólitos e fantásticos

Pertence ao tema subjacente deste evento o conceito de Insólito, no quadro do tema Mistérios, e sob a questão ainda há mistérios hoje? Assim, a questão do insólito não pode ser ignorada.E sempre houve mistérios insólitos? E se hoje ainda há?
Insólito situa-se no sentido fora do comum (por extensão da etimologia de solitário) e decerto que sempre houve e haverá fenómenos insólitos e até fantásticos, sem confundir com fantasmáticos. O incomum, o raro, o fenómeno ad hoc e solitário, em si mesmo, não levanta problema analítico, e entra até no conceito de normalidade, por ser fora do normal, fora da pauta, e divergente do standard. Em si mesmo, o insólito e até o fantástico, não comporta um mistério?mas tão-somente uma razão de acaso, identificável no plano material e físico?naos e situam no campo do inexplicável, mas sim do eventualmente inexplicado no caso concreto, será o caso dos fenómenos de feira?a mulher de barba, a cobra de duas cabeças etc?
Tal situação está claramente, fora do nosso motivo de presença hoje, aqui e neste momento.
O que aqui nos interessa não é o nível de questionamento dos ditos fenómenos misteriosos, fantásticos, ditos mistérios, de nível material e substantivo. Em última análise estes fenómenos a esse nível, nunca serão autênticos mistérios inexplicáveis, mas apenas malformações ocasionais, mistificações ou deficiências de conhecimento, e situações de ignorância que o tempo tornará explicados. 
Quanto aos outros, os que se situam a um  nível metafisico, religioso, ou transcendente, já temos de vislumbrar uma resposta que o seu conhecimento pode advir dos caminhos da meditação e identificação pela iniciação profana, ao Logos do Cosmos universal, ou da revelação desejada pela via divina a quem com fé, a procura. A dificuldade está na informação que pode ser processada por um terceiro caminho a um nível não consciente, por exemplo, e por que via? (se física) ou magnética telepática (se espiritual).
Neste plano os fenómenos nunca serão insólitos, no sentido de solitários e/ou fantásticos, ou raros, embora se possam situar ao nível de uma perceção individual (ou de poucos indivíduos) - será o caso das aparições da figura de N Sra, em Fátima, ou antes de perceção coletiva, como no mesmo caso, terá sido o fenómeno do sol, mas aliás de natureza presencial.

3 -O Mistério como perceção individual, ou como conhecimento coletivo.
A noção básica de Mistério consiste à partida num fenómeno de perceção pela consciência individual, e que assenta num estado de incompreensão (por falta de explicação imediata e plausívelpela ignorância de uma causa da realidade, ou da sua representação, e que pode residir no observador, e de forma subconsciente, por exemplo, um sonho, uma visão, uma epifania, ou uma revelação, ou no consciente, em que o observador é colocado perante um fenómeno externo, desconhecido, e inexplicável ao nível da sua capacidade de entendimento, ou conhecimentos até então adquiridos.
Há a notar que a perceção individual pode resultar de fenómenos individuais do domínio explicável da psicologia, e das neuro ciências como poderá ser a situação de estados alterados de consciência, o que situam o campo de análise nas propriedades subjetivas do agente, que será esse o fenómeno a estudar por se apresentar como insólito, misterioso, ou fantástico (ou não), e não o que o agente descreve como o ?fenómeno? que julga, ou considera, e que entende que lhe é exterior, como é por exemplo, a audição subjetivas de vozes, de visões, etc...
Se assim não acontecer, se existe perceção coletiva das realidades que são também percecionadas subjetivamente pela pluralidade de agentes, então importa averiguar se estamos fenómenos de (auto sugestão) ou sugestão coletiva, estados especiais de catarse, quiçá de efeitos hipnóticos induzidos, etc. o que retira todavia a integração de tais situações do domínio da metafísica, para os situar no campo de análise da materialidade física da sua expressão intrínseca, e portanto da relação causa/efeito da sua génese.
Em consequência, se um fenómeno se verificar perante vários observadores, consoante o seu grau de conhecimento, capacidade racional e experiencia anterior, como natural, esse mesmo fenómeno poderá assim configurar-se e explicado, como logico, normal, natural, e ser partilhado ou não, para todos, ou só para alguns. 
Ou seja -poderá ser até um ?mistério?, pontualmente e só, para um único observador, e nessa altura não haverá mistério algum, mas tão-somente ignorância individualizada, que se traduz numa inexplicabilidade meramente subjetiva.
Assim por exemplo, um texto escrito em árabe, ou chinês,  pode ser um mistério quanto ao seu conteúdo, inexplicável porque ininteligível,  para todos os membros de um grupo, (se ninguém conhece esta língua, ou não sabe sequer ler) ou só para alguns , admitindo a existência de falantes de árabeou chinês, no grupo, ou, finalmente, ser um mistério só para um individuo seja porque motivo for?ignorância da língua em causa, ser invisual, ou não ser capaz de ler a língua   nem de a escrever, por ainda não ter adquirido essa aprendizagem?.
Se ninguém, num grupo, ou num território de situação em apreço, consegue entender e ?inteleger?, interpretar, e ganhar o conhecimento racional da razão de um fenómeno (integrando-o) então, temos um mistério objetivo, geral e comum, só desvendável, e  explicável ao grupo por alguém de fora, que lhe seja exterior, e que partindo de outros parâmetros, culturais, físicos, geográficos, seja conhecedor da razão determinante do fenómeno, o consiga fazer entender com um facto natural, explicável, e demonstrável pelas suas causas, natureza e efeitos.
Trata-se de matérias que se situam, no domínio físico, e portanto no âmbito do conhecimento possível ser adquirido, seja pelo progresso da formação e educação, e da evolução da maturidade dos observadores, seja pelos avanços da ciência humana. Estes temas assim considerados em rigor, não são mistérios, porque uma vez explicados e entendidos deixam de subsistir como tais, tal como os fantasmas da Escócia, que deixaram de existir quando as pessoas deixaram de neles acreditar?

4-    A questão de fundo da Misteriologia
Se a Misteriologia será a disciplina de estudo da explicação dos mistérios, por razões metodológicas conviria desde logo distinguir estes entre os meramente materiais, de expressão física e sensorial comum, e que podem integrar seja fenómenos da natureza, desde a Aurora boreal, aos terramotos, e demais fenómenos classificados como meteorológicos, aos vestígios arqueológicos de dimensões ciclópicas, desde as pirâmides, as estátuas da Ilha da Pascoa etc., dos todos os outros, de dimensão metafisica, e que são aqueles que mais se quadram no âmbito desta conferência em nossa opinião, e que por isso nos interessa profundar.
Que mistérios inexplicados subsistem? Ainda há hoje mistérios inexplicáveis? E até quando? -Quando serão desvendados ou explicáveis?
Não, hoje não existem Mistérios, enquanto ocorrências de coisas inexplicáveis. 
Mesmo até o acaso e o insólito só se manifestam quando devem acontecer. O desconhecimento e a atrofia dos saberes de hoje tem muitas causas endógenas, mas as 3 principais têm nexo causal com:

a)     Inexistência de pedagogia e de Instrução universal e Iniciática nos princípios das Ordens não dogmáticas.

b)    Atrofiamento espiritual da Humanidade, exacerbando-se a religiosidade fundamentalista, o consumismo, e o distanciamento de valores espirituais
c)     Imposição de raciocínios académicos de modelos padronizados, indutivos e dedutivos, sem desenvolvimento dos pensamentos analógico e axiomático
Mas sim, Hoje há mistérios inexplicáveis, ou mais exatamente um mistério maior, com o significado de ausência de conhecimento comprovadamente racional e cientifico, sem explicação material sobre o seu conteúdo e consistência, e que é a questão primordial:
Quem somos. Onde estamos e para onde vamos?
A questão colocada é de todos os tempos, e religiões e escolas iniciáticas e têm-se proposto dar a resposta sempre com preferência aos seus adeptos, recrutados ou aderentes de livre vontade, sempre com exclusão dos profanos. São raros eventos como o do GIFI com abertura (semi pública diz-se no convite) também aos outsiders ou profanos, como já em outros lugares, também defendemos como uma postura entreaberta de partilha.  
Importante, é o movimento de abertura a questões metafisicas, em que o essencial do processo iniciático está na procura guiada, e na partilha participada, do aprofundamento do conhecimento, numa linha raciocínio racional, não exclusivamente dedutivo mas também indutivo, e não meramente empírico, ou pragmático, que não despreze o sentimento emocional, a visão transversal e a busca do conhecimento e da pluralidade de perceções, intuições e sensações, refletidas através da sincronicidade do self, como participantes que todos com essa consciência somos, do criado e criador universal TAO. 
O EU só ganha individualidade no contexto do NÓS e dos OUTROS TODOS, que compõem, integram e formam o Universo, numa visão partilhada a várias correntes de opinião, que a Teosofia ajuda a compreender solidariamente, e que incluem a teorização panteísta, a rosa cruciana, a maçónica, e também a de diversas vertentes da religiosidade do divino, como por exemplo a franciscana- com a aceitação da magia da interação automática e pró ativa das sinapses que interagem entre o racional e o emocional, de modo não voluntariamente mental, mas indiscutível de forma eminentemente cerebral.
Neste percurso filosófico proactivo, convém lançar mão de todos os contributos das varias correntes e movimentos de pensamento, como é o caso do Movimento Transpessoal, que parte da noção de pessoa suscetivel de estados não ordinários de consciência, ditos de estados de consciência alterados, e que permitem percecionar uma realidade aumentada, (explicada por Vygotsky) comum a toda humanidade, em que a interação e inter-relação da suas componentes permitem atingir somas qualitativas de sincronicidade, (como proposto por Jung), superiores ao somatório aritmético partes quantitativas adicionadas, num processo de transmutação, que ultrapassa o cognitivo consciente, como atrás já vimos, e como adiante sustentamos, se pode exprimir pelo número de ouro.

Neste contexto, os mistérios que permanecem, e cuja compreensão e entendimento ainda não se acham generalizadamente acessíveis, bem podem ser seriados como sendo, entre outros os seguintes:

1-    caracterização natureza do planeta Terra no contexto Universal
2-    A aplicação da teoria dos fractais na relação Terra/Universo
3-    caracterização humana terrestre, como espirito corporizado
4-    incorporação da centelha da espiritualidade na matéria
5-    coexistência, comunicação e interação entre os vários espíritos
a)     Não corporizados
b)    Corporizados
c)     Entre uns e outros
6-    O enigma da opacidade da diversidade das consciências humanas.
7-    A transmigração e a reencarnação dos espíritos/almas
8-    A questão do tempo e do espaço, e as dobras/cordas do tempo
9-    A memória individual e a partilha individual da memoria coletiva
10-                      O coeficiente 1,618 da relação entre o material e o imaterial. 

5-    Mistérios e teoria do conhecimento- conclusões
A.J. Ayer já há muitos anos enunciou as questões essenciais da teoria do conhecimento, que se recordam para se poderem confrontar com a questão dos mistérios subsistentes, imediatamente atrás enunciados, ou seja, comprovadamente, temos direito a saber:

A) Aqueles mistérios são situações de incerteza evidentes em si?
B) Aqueles mistérios em si mesmos, são uma certeza evidente?
C) Quais as evidências da incerteza ou certeza desses mistérios?

                  Em síntese concluímos:
O caminho e desafio para a resposta consistem na procura e entendimento do cone do conhecimento, na busca dessa figura geométrica integradora do uno vórtice de topo, de onde dimana a projeção para a base circular, das realidades atomisticamente consideradas, e que integra envolvendo-as, para além da mera e simples hierarquia do pensamento dedutivo ou indutivo, como acontece no modelo limitativo da pirâmide.
Importa pois, a demanda ou busca de uma visão holística, e por isso inclusiva, e integradora de simbioses: o racional objetivo e o subjetivo emocional, numa correlação da proporção ou ratio universal de 1,618, o número de ouro, que favoreça o predomínio qualitativo do espírito sobre a matéria, e porque é uma centelha anímica elétrico magnética, parte do Universo, como somos parte também do seu pulsar gravitacional e físico, e da sua energia Prana, que constantemente inalamos em vida.
E porque a escolha do PHI? E não de outro número como as 64 CASAS idênticas às 64 combinações ADN, os 64 Hexagramas do I CHING e até o PI de 3,14 é o Septenário que divide os Arcanos (22) Maiores? A verdade é que preferimos empiricamente, aquela expressão da proporção de 1,618 maior denominador comum objetivo, existente na Natureza Terrestre, nosso ecossistema, a cujo pulsar obedecemos sincronamente, a qualquer outra proporção meramente aritmética como o PI de 3,14 ou meramente de escolha humana como as 64 casas do xadrez, ou dos elos do ADN, neste valor, meramente humano e não comum a todos os demais elementos da Natureza.
Importa ainda, correlacionar o PHI com a questão do quando, e do como, os princípios da Teoria da física e da mecânica dos Quanta sobre a ubiquidade do tempo, e do espaço incluindo o extra terrestre, permitam de forma crescente, ao maior número de seres, atingirem a compreensão desta realidade, e da certeza comprovada desta equação, e dos seus efeitos e consequências no caminho terreno, que cada um de nós percorre na preparação da sua ascensão final, numa polaridade atraída pela dinâmica do TAO, e imersa na densidade do Prana etéreo, de que todos comungamos.
A observação e aplicação da regra de ouro, permite possivelmente, um maior despertar de seres, para uma autêntica explosão de maior consciência individual e coletiva, gerando maior número de interessados na prática de raciocínios dedutivos e indutivos e também intuitivos, na busca de soluções para o problema do conhecimento, na valorização da dimensão racional, mas também da meditação transcendental e emocional, e na valorização das sensações e interconexões cerebrais, como resulta da citação de Edgar Morin com que iniciámos a nossa comunicação. 
Ou seja, com ponderação do número de ouro, o caminho filosófico analítico situar-se-á, entre o vetor racional e o vetor transcendente intuitivo e emocional, aceitando-se sempre, que o espirito domina a matéria, na proporção do número de ouro do PHI, por isso mesmo obtido não de forma aritmética e racional, mas sim deforma empírica na investigação de uma correlação que está ínsita na (nossa) Natureza. 
Assim, aplicando o PHI como pedra filosofal, ou de toque, dir-se-á, com a sabedoria popular que não basta trabalhar arduamente, com transpiração, se não houver inspiração. Dito de outro modo, o mistério da vida humana, nas suas 10 vertentes acima identificadas, terá de ser investigado e encontrado com base em estudo, raciocínio e propostas que respeitem o PHI, a proporção de 1,1618.
Em consequência, a realidade in totum da unidade, é superior a própria unidade, em cerca de 16,18% e esta é a sua dimensão supra real. A unidade material emerge in totum e deve identificar e integrar o peso dado pela proporção da dimensão metafísica ou espiritual do totum
Deste modo, a verdade da unidade, transcende-a e ultrapassa-a naquela percentagem, que deve ser sempre procurada no campo metafisico para exprimir a verdadeira dimensão integral da unidade material, esta, que será sempre de 1, enquanto a sua expressão total atinge mais 16,18%, ou seja 1,1618.

    Esta a nossa proposta para futuras investigações do GIFI, da Tertúlia do Bar do Alem e para outros Centros de Pensamento e Reflexão Independentes?Até atingirmos e sermos eternamente, parte do mistério absoluto e universalficando assim resolvida e explicada a por enquanto inexplicável questão de quem somos, de onde vimos e para onde vamos, ou onde ficamos.

Lisboa, LNC.10/12/216       












Fonte: http://bardoalem.blogspot.com/2016/12/ainda-ha-misterios-qual-e-o-grrande-e.html

celebração nocturna e ritual do solsticio de verao de 2016, pela Tertúlia do Bar do Alem, em Alenquer - 31Mai2016 17:14:00

Resultado de imagem para solsticio de verao tertulia do bar do alem
ADIADO POR MOTIVO DE ULTIMA HORA
Próximo evento a anunciar previamente















(imagens do blogue www.bardoalem.blogspot.com) 

CONVITE/INFORMAÇAO para 25 de Junho, Sábado
Local Alenquer, Alenquer Camping
ágape as 20,30h, refeição completa
pax/ 22,50?, reservas firmes com transferência bancaria
IBAN PT50.0033.0000.4541.5435.89105
Cerimonia ritual noturna inicio pelo sol posto (21.45h) 
dress code/traje- informal de cor branca
C/ vela em copo tipo procissão
( imagem com a devida venia do web site 
https://abrancoalmeida.com/causas/ambiente/solsticio-de-verao)

O texto do ritual 2016 será divulgado antecipadamente
O texto do ano de 2015 encontra-se aqui:
 http://bardoalem.blogspot.pt/2015/06/agape-e-celebracao-ritual-e-noturna-do.html
informações e duvidas pelo email bar.do.alem@gmail.com
Celebrantes: Manuel Marcelino Pena e Costa e
Luis Nandin de Carvalho
Resultado de imagem para solsticio de verao tertulia do bar do alem


Fonte: http://bardoalem.blogspot.com/2016/05/celebracao-nocturna-e-ritual-do.html

tertúlia de 21 de Maio, as 12h com almoço debate com ALEXANDRE GABRIEL...sobre DRUIDISMO, herança celta e a espiritualidade atual - 27Abr2016 18:07:00

Convite /informação
Druidismo - Da Herança Céltica à Espiritualidade Actual"
sábado 21 de Maio as 12h
Bar do Alem, Alenquer Camping
Porto da Luz, EN Nº 9. KM 94
Orador Alexandre Gabriel
Temas Druidismo: Herança celta e a espiritualidade atual
Moderador Luis Nandin de Carvalho
Menu 20?/pax
Entradas variadas, Fvas a Portuguesa, com entrecosto e enchidos, sobremesa surpresa, vinho da Região Alenquer DOC, sumos, café
Lotação limitada, inscrições previas necessárias, confirmação com transferência bancaria
IBAN - PT50.0033.0000.4541.5435.89105

o orador

Alexandre Gabriel licenciou-se em Ciências Musicais na Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa. Tem feito parte de vários projectos musicais dentro da temática medieval e celta, dos quais se destacam o grupo Strella do Dia (nascido em 2000) e os Avalon Ensemble (nascidos em 2003), dedicando-se em particular à harpa céltica e à composição. É editor da Zéfiro, surgida em 2005, que se dedica à edição literária sobretudo na área do esoterismo, da espiritualidade, da história e da filosofia. Coordenou a edição do livro ?O Perdão dos Templários? (Zéfiro, 2006), assim como a edição de 2011 do ?Mandrágora ? O Almanaque Pagão ? 2011: No Bosque Sagrado dos Druidas? (Zéfiro, 2010), tendo feito parte da direcção editorial deste projecto de 2009 a 2014. Tem-se igualmente dedicado à tradução e à revisão de diversas obras. É coordenador do projecto cultural da Casa do Fauno em Sintra, fundado em 2011. Em 2001 aderiu à Ordem dos Bardos, Ovates e Druidas (OBOD), da qual é desde 2011 o responsável e orientador do ramo de língua portuguesa do Curso de Bardo.


Textos de apoio
http://druidismoativista.com.br/site/druidismo-uma-velha-tradicao-nova

http://www.cerberusmagazine.com/da-harpa-do-bardo-a-harmonia-druidica



Fonte: http://bardoalem.blogspot.com/2016/04/tertulia-de-21-de-maio-as-12h-com.html

PROXIMA TERTULIA DO BAR DO ALEM COM ALMOÇO DEBATE................16 de ABRIL: - 14Abr2016 21:49:00

......PROXIMA TERTULIA DO BAR DO ALEM COM ALMOÇO DEBATE......16 de ABRIL:

Menu- Entradas variadas, Caril de Frango com papari, arroz e salada, sobremesa surepresa, cafe, vinho da região, e sumos/refrigerantes. 

Orador, Engº Vítor Feria, Presidente da Sociedade Espirita Portuguesa: O Movimento espirita. No Bar do Alem, Alenquer, EN Nº 9, Km 94, as 12h.

 Almoço completo tudo incluído 20?/pax, confirmação de inscrição com transferência IBAN. PT50.0033.0000.4541.5435.89105
ver entrevista no YOU TUBE 
...
TEXTO DE APOIO DA WIKIPEDIA
-- WEB SITE DA Federaçao Espirita Portuguesa http://feportuguesa.pt
Espiritismo no mundo[editar | editar código-fonte]
De 1857, ano do lançamento do Livro dos Espíritos, a 1869, ano do falecimento de Kardec, o Espiritismo conseguiu 7 milhões de adeptos.[1] Segundo dados do ano 2005, o Espiritismo possui cerca de 15 milhões de adeptos ao redor do mundo,[2] e segundo dados do ano 2010, o Brasil - país com mais adeptos[3] - conta com cerca de 3,8 milhões de espíritas.[4] [5] O Conselho Espírita Internacional (CEI) tem 36 países membros, sendo eles: Alemanha, Angola, Argentina, Austrália, Áustria, Bélgica, Bolívia, Brasil, Canadá, Chile, Colômbia, Cuba, El Salvador, Espanha, Estados Unidos, França, Guatemala, Holanda, Honduras, Irlanda[6] , Itália, Japão, Luxemburgo[7] , México, Moçambique[8] , Noruega, Nova Zelândia, Panamá, Paraguai, Peru, Portugal, Reino Unido, Suécia, Suíça, Uruguai e Venezuela.[9]
Na Polônia, no Japão e na Hungria o nascimento de um movimento espírita está acontecendo graças ao empenho de alguns espíritas esperantistas que vêm, num esforço contínuo, porém incansável, traduzindo do esperanto para as suas respectivas línguas os livros de Allan Kardec (cinco livros básicos) e outros tidos como subsidiários, quais sejam: "Memórias de um suicida", "Nosso Lar", "Filigranas de Luz", "Ação e Reação" etc.
No Brasil, segundo o Censo demográfico de 2010, é o terceiro maior grupo religioso do País. Os espíritas são, também, o segmento social que têm maior renda e escolaridade, segundo os dados do mesmo Censo. O Espiritismo cresceu do ano de 2000 até 2010, com um expressivo aumento de mais de 60% de seguidores, passando de 2,3 milhões para 3,8 milhões de seguidores,[4] tendo a maioria destes, idades entre 50 e 59 anos (3,1%), e na comparação com as demais posições em relação a religião, tendo o maior número de pessoas com taxa de alfabetização (98,6%), ensino superior completo (31,5%) e rendimento acima de 5 salários mínimos (19,7%), além das menores percentagens de indivíduos sem instrução (1,8%) e com ensino fundamental incompleto (15,0%).[5] [10] O IBGE trata os termos Kardecismo e Espiritismo como equivalentes em sua classificação censitária.[11]
See More



A FEP - Federação Espírita Portuguesa tem em mãos a edição de muitos títulos de livros, de diversos?
youtube.com



Fonte: http://bardoalem.blogspot.com/2016/04/roxima-tertulia-do-bar-do-alem-com.html

CANCELADO.............PREVISOES ASTRO-NUMEROLOGICAS para o Ano de 2016, por VERA SPIGUEL, no BAR do ALEM - 23Fev2016 11:54:00

CANCELADO POR CONVALESCENÇA DE PNEUMONIA DA ORADORA







CONVITE/INFORMAÇAO
Sabado 19 de Março
Oradora- Vera Spiguel
Tema- Previsões astro-numerológicas para o ano de 2016
Moderador- Luis Nandin de Carvalho
Almoço debate as 12h, Alenquer
Tertúlia do Bar do Alem
EN Nº 9, Km 94
Menu tudo incluído 20?/PAX
Entradas variadas, prato principal, sobremesa surpresa
Vinho Regional, refrigerantes e café
Lotação limitada
inscrições por email: bar.do.alem@gmail.com
pagamento por transferência bancaria IBAN
PT50.0033.0000.4541.5435.89105
*******
textos de apoio
Fonte: Entrevista ao Jornal Record.
Os astrónomos do Minnesota Planetarium Society, dos Estados Unidos, redefiniram o calendário do Zodíaco e baralharam tudo, ou seja, deixámos de saber a que signo pertencemos. A astróloga Vera Spiegel explica a Record os novos contornos da coisa...
? Como vê esta redefinição do calendário do Zodíaco feita pelos astrónomos norte-americanos, que, na prática, quer dizer que a maioria de nós pertence ao signo anterior ao que julgava?
? Já há 15 anos que se anda a falar nisso porque de facto o calendário conforme o conhecemos está atrasado e o eixo da Terra tem-se vindo a desviar devido aos cataclismos naturais que ocorreram sobretudo na América do Sul. Tudo isso muda a leitura zodiacal. Vivemos uma mudança de era, em que tudo se altera a um ritmo mais acelerado, estamos muito adiantados no tempo e a viver uma era quântica.
? Então, na prática, uma pessoa do signo Peixes passou a ser Aquário?
? Na prática, sim. Esta mudança nos signos faz todo o sentido porque tudo está a mudar, até a Lua. Por exemplo, a próxima Lua Cheia está marcada para o dia 19 mas, se observarmos, ela vai encher três ou quatro dias mais cedo. Isto, para dizer que tudo está em avanço.
? Uma pessoa que se revia nas características do signo que julgava ser o seu passa a rever-se noutro?
? Não deixa totalmente porque um individuo que nasceu na primeira semana de um signo tem características do signo anterior e aquele que nasceu na última semana tem as do signo que vem a seguir. Portanto, é normal que as pessoas cada vez menos se revejam nos signos a que pertencem.
? Quer dizer que vamos passar a ler as previsões dos horóscopos de um novo signo?
? Sim, e se tivermos essa abertura somos capazes de vir a ter surpresas. Há capricornianos, por exemplo, que se vão sentir sagitarianos.
? Quais os signos que ao recuarem são beneficiados?
? Por exemplo, o Virgem que passa a ser Leão vai ser beneficiado na sua sorte e na forma de estar na vida do Leão, que o vai libertar um pouco da sua timidez. Já um Carneiro que passa a ser Aquário irá beneficiar da abertura mental deste signo, mostrando-lhe o mundo de uma forma mais esclarecida. Os Gémeos que passam a ser Touros ficam a ganhar com o facto de poderem ter os pés mais assentes na Terra. E por aí fora...
? Acha que um 13.º signo entre Escorpião e Sagitário faz sentido?
? É muito cedo ainda para falar nisso. Mas eu, que lido com pessoas de vários signos todos os dias, verifico que alguns escorpiões têm características novas, daí que este novo signo, serpenteado, que está ali no meio, faça todo o sentido.
Web sites
http://activa.sapo.pt/astros/esoterismo/2012-07-04-numerologia-descubra-qual-o-seu-numero-e-como-interpreta-lo  
http://www.wengo.pt/blog/66-videncia/482-numerologia-2016-as-previsoes-do-ano-9





Fonte: http://bardoalem.blogspot.com/2016/02/previsoes-astro-nuemrologicas-para-o.html

dia 20 de Fevereiro de 2016, almoço debate da tertulia do Bar do Alem, em Alenquer sobre OPUS DEI - 26Jan2016 09:36:00


CONVITE INFORMAÇAO
SABADO 20 de FVEREIRO
BAR do AEM, Alenquer EN Nº 9. KM 94, as 12h
TEMA OPUS DEI-
REALIDADES E MISTERIOS em PORTUGAL



ORADOR- CATARINA THEMUDO BARATA GUERREIRO (jornalista de investigação)
Moderador Luis Nandin de Carvalho
++++++++++

LOTAÇAO LIMITADA
MENU 20?/PAX tudo incluído
Entradas variadas, prato principal, sobremesa SURPRESA, Vinho Regional, café
inscrições garantidas com pagamento pelo
NIB 0033 0000 4541 5435 89105
+++++++++++++
mais informações pelo email bar.do.alem@gmail.com
blogue em www.bardoalem.blogspot.com
.......................
textos de apoio em
http://opusdei.pt/pt-pt/section/o-opus-dei-em-portugal  
.https://pt.wikipedia.org/wiki/Hist%C3%B3ria_do_Opus_Dei  
https://www.facebook.com/catarina.t.guerreiro


Fonte: http://bardoalem.blogspot.com/2016/01/dia-20-de-fevereiro-de-2016-almoco.html

Primeiro almoço debate de 2016, no 15º ano de atividade da Tertulia com VITOR ADRIÂO - 05Jan2016 17:48:00




Convite/Informação


dia 23 de JAneiro, sábado.


as 12h


Almoço debate em Alenquer

EN nº 9 , Km 94, Porto da Luz

Tertúlia do Bar do Além

Orador VITOR MANUEL ADRIÃO


Tema Portugal- A dimensão Oculta

Moderador: Luis Nandin  de Carvalho


Menu


Entradas 


variadas, prato 


principal a indicar, sobremesa 


surpresa, vinho Regional ou refrigerantes, café.

 (preço 20?/pax 

por transferência para NIB 0033 0000 4541 5435 89105


 Notas:
Vitor Adrião, renomado escritor esotérico estará no almoço debate da Tertúlia do Bar do Alem dia 23 de Janeiro Sábado a partir das 12h, para apresentar o seu novo livro (que estar a venda e que poderá ser autografado pelo próprio) PORTUGAL DIMENSÂO OCULTA, e nesse contexto antecipará previsões para o ano de 2016.

Este livro trata da parte não divulgada, muito menos discutida, da História de Portugal: o lado oculto e simbólico do povo português. O autor, que é historiador e filósofo, fez exaustivas investigações sobre as diversas ordens iniciáticas que se instalaram no nosso país, cotejando-as com as versões oficiais, além das interpretações da mitologia, do misticismo, e das doutrinas religiosas que influenciaram o desenvolvimento da Península Ibérica.

Vitor Adrião que ja foi orador de um almoço debate da Tertulia do Bar do Alem, tem numerosos dos seus textos divulgados no youtube com milhares de visualizações, entre elas a seguinte sobre a Quinta da Regaleira https://www.youtube.com/watch?v=g7a2LcP3tMo


Entre outras publicações o autor escreveu:
ORDEM DE MARIZ PORTUGAL E O FUTURO
 Dogma e Ritual da Igreja e da Maçonaria
Portugal Templário - Vida e Obra da Ordem do Templo
SINTRA Serra Sagrada - Capital Espiritual da Europa
Quinta da Regaleira - A Mansão Filosofal de Sintra
AS Forças Secretas da Civilização
Introdução à Portugalidade
PORTUGAL Os Mestres e a Iniciação
Lisboa Secreta - Capital do Quinto Império

História Secreta do Brasil 



Fonte: http://bardoalem.blogspot.com/2016/01/conviteinformacao-almoco-debate-em.html

Votos de uma Feliz Quadra Festiva 2015/2016...e de boas sugestões para o programa de almoços debae... - 02Dez2015 11:18:00



Já aqui está!

em preparação, o calendário das tertúlias do Bar do Alem para 2016....Com o 1º semestre já completado...depois de verão se verá como serão retomados os almoços debate da tertúlia...na linha de contactos esta a teoria dos QUANTA, a das CORDAS, Dobras do tempo, Mundos paralelos e tutti quanti...

sempre em almoços debate, início as 12h, e aos sábados :


dia 23 de Janeiro: Vitor Adrião- O Livro, Portugal Oculto e - à luz do destino luso o futuro a partir do ano de 2016, fazendo  recurso à Cabala e à Astrologia Caldaica; 

20 de Fevereiro: Catarina Themudo Barata Guerreiro, jornalista de investigação tema: Filosofia, Teoria e Pratica do OPUS DEI,  

19 de Março : tema:Vera Spiguel, astróloga, Previsões para o futuro próximo segundo a Astro Numerologia

 16 de ABRIL: Engº Vítor Feria, Presidente da Sociedade Espirita Portuguesa: O Movimento espirita. 

 21 de Maio, Alexandre  Gabriel, Brado Druida, de Sintra, sobre o Druidismo em Portugal.

25 de Junho a celebração ritual e  nocturna do Solstício de verão com Manuel Marcelino e Luis Nandin de Carvalho


Convidam-se os membros deste grupo a sugerirem temas e oradores .Votos de uma Quadra Festiva Feliz! Excelente 2016,

Fonte: http://bardoalem.blogspot.com/2015/12/votos-de-uma-feliz-quadra-festiva_2.html

dia 21 de Novembro, almoço debate em Alenquer s/ ESTADOS ALTERADOS DE CONSCIÊNCIA com Prof. Jose Manuel Marques - 28Out2015 10:16:00

CONVITE/INFORMAÇAO
21 de Novembro de 2015
12h no Bar do Alem
Almoço debate
TEMA
ESTADOS ALTERADOS DE CONSCIÊNCIA
ORADOR
Prof Dr. José Manuel Marques
Colaborador da Revsita BIOSOFIA
MODERADOR
Luis Nandin de Carvalho
LOCAL
Alenquer, EN Nª 9, KM 94
Estrada Alenquer Torres/porto da Luz
MENU
20?/PAX (recibo com 23% de IVA)
Entradas variadas, prato principal a indicar, 
Sobremesa surpresa, vinho regional, café
NIB
0033.0000.4541.5435.89105
LOTAÇÃO LIMITADA

Nota: alojamento possível a preços reduzidos nos bungalows, 
ou para autocaravanas, na respectiva plataforma do Camping



TEXTOS DE APOIO



WIKIPEDIA

Estados alterados de consciência

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Estado não ordinário de consciência ou ENOC, é um conceito desenvolvido através de estudos interdisciplinares envolvendo pesquisas dentro da antropologia, psicologia, neurociências, arqueologia cognitiva, entre outras que permitem debater os casos onde os chamados "estados alterados de consciência" ou, em inglês ASC ? Altered States of Consciousness ? termo criado por Charles Tart, podem ser considerados legítimos, não apenas deformações ou alterações dos estados "normais", isto é, os estados comuns de consciência do dia-a-dia. Exemplo disso são as visões de padrões geométricos como espirais, vórtices, zigue-zagues, linhas onduladas, pontos luminosos, etc., muito presentes na arte rupestre e indígena, também constante no trabalho de artistas visionários atuais, supondo que essas visões sejam características inatas do ser humano. Outro exemplo estudado por cientistas como Michael Wilkelman e Graham Hancock se refere ao fato de que para o ser humano, certas experiências sobrenaturais, como o contato com seres divinos nas diversas religiões do planeta, é algo natural, isto é, faz parte da biologia humana, apenas variando conforme as tendências pessoais e culturais dos indivíduos.
en:David Lewis-Williams em seus livros "The Mind in the Cave" e "Inside The Neolithic Mind" (este último escrito em parceria com David Pearce) relata uma série de pesquisas laboratoriais com o uso de psicoativos e de práticas meditativas, religiosas e xamânicas, onde o resultado dessas pesquisas despertaram os cientistas para esse novo conceito. Nas palavras dos autores:
"[...] implica que existe uma ?consciência ordinária? que é considerada genuína e boa, daí pervertida ou seu estado "alterado". Mas nós vimos, em todas as partes do espectro, que são igualmente "genuínos". A frase ?estados alterados de consciência? é suficientemente útil, mas nós necessitamos lembrar que carrega muito da nossa bagagem cultural" (LEWIS-WILLIAMS; PEARCE, 2005).[1] (tradução livre do inglês)

LINK para a Faculdade de Psicologia do Porto
http://www.fpce.up.pt/docentes/cmota_cardoso/slides/psic_geral/11_consciencia/consciencia_1_26.pdf  

YOU TUBE
https://www.youtube.com/watch?v=OjTKjELocog 

Fonte: http://bardoalem.blogspot.com/2015/10/dia-21-de-novembro-almoco-debate-em.html

dia 24 de Outubro, sábado as 12h. tertúlia com novas revelações e percepções sobre a Ordem do Templo em Portugal - 21Set2015 13:04:00

orador: Luis de Matos
investigador e autor de livros esotericos
Moderador: Luis Nandin de Carvalho

Luis de Matos é colaborador de varias entidades e organizaçoes inciaticas e esotericas e formador do Instituto Gualdim Pais. O Instituto, em colaboração com o IHS-HI e com a Ordo Supremus Militaris Templi Hierosolimitani Universalis (OSMTHU) promove regularmente a edição do Curso de Instrução do Templo e da Cavalaria Espiritual, a ultima teve lugar no dia 12 de Julho de 2015 em Sintra.

O Curso é composto pela Instrução Preliminar que é dada a todos os que ingressam na Ordem do Templo (OSMTHU), a qual aborda múltiplos temas relacionados com a histórica Ordem do Templo, bem como com a Cavalaria Espiritual como Via Iniciática, explorando a sua expressão Cristã reconhecida nos Templários, assim como na Ordem de Cristo, entre outras, bem como a sua história e sobrevivências até aos dias de hoje em múltiplos ramos.
O Curso faz ainda uma introdução ao que é a Instrução de Cavalaria, explanando os seus valores teológicos e iniciáticos, recorrendo a textos canónicos e documentos das diversas épocas.

Convite/informaçao:

A sessão sob a forma de almoço debate da Tertúlia do Bar do Além, terá início na sala de convivio do Alenquer Camping, sábado 24, às 12h com a intervençao inicial por Luis de Matos, seguida de imediato de troca de impressões, e depois com um agape entre todos os participantes na sala de bar restaurante.

Menu/20? pax tudo incluido
Entradas variadas, prtao principal a indicar, sobremesa surpresa, vinho ou refrigerantes, cafe

Inscriçoes exclusivamente por email
bar.do.alem@gmail.com

local: Camping, Porto da Luz, Alenquer
En Nº 9, Km 94
tel 934289379





Fonte: http://bardoalem.blogspot.com/2015/09/dia-24-de-outubro-sabado-as-12h.html

visita de estudo e cultural à Mesquita de Lisboa - 25Ago2015 17:20:00

 
 
(versículo do Corão sobre Jesus)
 
?
Um grupo de Amigos, entre os quais dois membros da Tertúlia do Bar do Alem, no dia 25 de Agosto, depois de almoço participaram numa visita privada e guiada a Mesquita de Lisboa, que foi orientada pelo Presidente da Comunidade Islâmica, Dr. Abdoul Karim Vakil, e pelo Imã da Mesquita, o Sheik David Munir, aliás já anterior orador de uma das Tertúlias do Bar do Alem, realizadas em Alenquer, durante um dos tradicionais almoço debate

 
(Dr. Abdoul Karim Vakil e Sheik David Munir)
 
 
A vista permitiu percorrer os três pisos da Mesquita e recolher informação qualificada sobre as atividades dos muçulmanos em Lisboa, incluindo a prática das orações, o ritual dos mortos, dos casamentos, e ainda sobre as refeições do restaurante aberto ao publico?, tendo sido autorizada expressamente e a pedido a obtenção de fotografias.
 
 
(Sala das abluções- masculina)
?
 
Foram visitadas varais salas, para alem da grande salão das Orações, incluindo a sala das abluções masculina (lavagem dos pés, cara e braços), mas não a sala feminina que fica na mezanino, reservada a presença das mulheres durante o culto.
 
(no pátio de entrada)
 
No salão principal de culto com o chão forrado a tapetes e orientado a Meca? forma dadas explicações sobre alguns princípios do islamismo que em Portugal já conta com cerca de 50 Mesquitas. Nas paredes há vários azulejos com versículos do Corão em árabe e em português, incluindo a referencia a Deus.
 
 
( versículo com a referencia a Deus)
A Sala mortuária principal recebe os defuntos para a cerimonia ritual adequada antes do funeral.
 
(sala mortuária da Mesquita)
?
?
?
?


Fonte: http://bardoalem.blogspot.com/2015/08/visita-de-estudo-e-cultural-mesquita-de.html

Agape e celebraçao ritual e noturna do Solstício de Verão de 2015 pela Tertúlia do Bar do Alem, em Alenquer - 19Jun2015 11:59:00

 
Celebração ritual do solstício de verão de 2015
XV ano do III Milénio
Alenquer
20 de Junho de 2015
 
 

Celebração ritual do solstício de verão de 2015

XV ano do III Milénio
Alenquer
20 de Junho de 2015
 
 
Na Tertúlia do Bar do Além, Alenquer. Local: Jardins e esplanada do Alenquer Camping, apos um ágape sentado com os participantes convidados e inscritos.
 
Narração, pelo Mestre do Ocidente
Marcelino da Pena Costa
Celebração, pelo Mestre do Oriente
Luis Nandin de Carvalho
 

Música. Ao Início do cortejo, ouve-se a Ode a Alegria de Beethoven, na ocasião da junçaõ dos lumes dos participantes a Fogueira, escuta-se a Dança Ritual do fogo de Manuel Falla, e no final o regresso é acompanhado por acordes do tema Alegria, do Cirq du Soleil.

Notas e advertências:
Explicações a serem dadas pelo Mestre Narrador do Ocidente já revestido pela sua capa, no terreiro da Nogueira Velha
 
1) O texto ritual anteriormente utilizado em anos transatos foi agora revisto, e recriado pelo Presidente da Tertúlia do Bar do Alem, Marcelino da Pena Costa e pelo respectivo Secretário, Luis Nandin de Carvalho, e teve por base recolhas feitas na Internet, elementos de tradição oral de diversas origens, incluindo cerimónias da noite do fogo de São João.
 
2) Este documento serve apenas o interesse de um conjunto de membros da Tertúlia do Bar do Além, em realizar um exercício prático de uma cerimónia "branca", mas simbólica, de celebração solsticial, dita de mid summer.
3) Os elementos constantes do ritual contêm fatores de evocação de práticas ancestrais imputáveis a remota origem celta, bem como de costumes populares, de origem tradicional associadas à noite mais curta do ano prenúncio portanto, do dia mais longo. Pode ser-lhe atribuído o significado profano a gosto de cada um, ou para os iniciados, aquele que a respetiva sensibilidade espiritual o permitir. Ou seja, para além da expressão exteriorizada ou esotérica da celebração do Solstício, cada um escolherá livremente para si, o seu significado esotérico e interior.
 
Programa Indicativo exclusivo para os membros
da Tertúlia do Bar do Alem atempadamente inscritos
 
- Dia 20 de Junho, de 2015, sábado, a partir das 20.00h, chegada dos participantes inscritos previamente, (maioritariamente vestidos de branco) receção no secretariado com entrega do ritual, e de uma vela/tocha a cada um. (Troca geral de impressões e apresentações)
 
- 20.30h início da refeição do jantar comum (ágape) na esplanada da nogueira velha, se o tempo o permitir, ou no interior do restaurante contíguo.
 
- Cerca das 22h, Ao Sinal do Mestre Narrador do Ocidente, terminado o ágape, e após o por do sol, verificado estar o sol-posto, após uma nota oral explicativa, são acesas uma a uma, as luzes dos participantes (as velas) através do lume que lhes é fornecido pelo fogo do archote do Mestre Celebrante do Oriente, transmitindo assim a luz guardada do ano anterior
 
O Mestre Narrador do Ocidente encabeça o cortejo,  revestido de uma capa negra, com a procissão dos participantes, em cortejo de fila singular e silenciosa, dirigindo-se para a plataforma da cerimónia, junto ao poço dos desejos, seguindo no final o Mestre Celebrante do Oriente , revestido de um manto/capa templária branca, e também com o seu archote aceso.
 
- Às 22.15h O Mestre Narrador do Ocidente, procede à disposição dos participantes em círculo, à volta da pira de madeira central, previamente arranjada no tronco do pinheiro cortado, colocando-se a si próprio no ponto cardeal do poente, ou ocidente, e explicando a disposição adotada.
 
- O Mestre Celebrante do Oriente, assume a sua posição a Oriente ou nascente, (com uma mesa como altar dos perfumes). Forma-se assim um eixo regente, Oriente- Ocidente, representando o périplo diário do astro rei, participando na celebração (em dialogo permanente com o Mestre Narrador do Ocidente) com passos rituais, em esquadria, pontuados pelo bastão do archote e no sentido sinistorsum, pois no hemisfério norte, o périplo do Sol desenvolve-se de direita para a esquerda, face ao Norte magnético.
 
 
RITUAL ABERTURA
 
(já na plataforma da cerimónia, onde está a pira da fogueira)
 
À chegada do cortejo das luzes dos participantes, liderados pelos passos solenes do Mestre Narrador do Oriente, com o seu archote aceso, no fogo do ano anterior, coloca o Mestre Celebrante do Oriente, a nascente, frente ao altar dos perfumes, (com 3 velas: vermelha, azul e verde, e 4 recipientes com sal, incenso, mirra e resina) será emitida música adequada, com trechos do Hino à alegria de Beethoven:
 
- Mestre Narrador do Ocidente - Minhas Senhoras e Senhores, Meus Irmãos Minhas Irmãs, e meus amigos e amigas!
 
- Proclamo que neste final de um dos dias mais longos do Ano, e prenúncio da noite mais curta deste décimo quinto ano, do III Milénio, nos encontramos aqui livremente, para celebrar a Festa Solsticial de Verão, através de um Fogo de São João, e ao fim de um ano de trabalhos e sementeiras, e em vésperas de colheitas dos seus frutos.
 
- Convido-vos pois a cada um, que queira tomar a sua vela/tocha em ambas as mãos, já oportunamente alumiada, com transmissão do fogo do archote do Mestre celebrante do Oriente, e que participem neste grande círculo, por detrás dos dois celebrantes
 
(Pausa, para os participantes munidos de velas completarem o Circulo, formando assim um anel de fogo)
 
Mestre Narrador do Ocidente - Logo que sejam solicitados, agora que todas as testemunhas têm a chama dos seus espíritos identificadas pelo fogo que receberam, vão participar activamente em 3 fases sucessivas ao meu exemplo, e a seu tempo quando for anunciado:
 
1) Aproximarem-se do grande fogo, para a ele se associarem, no final, deitando nele a vossa chama, pondo termo ao anel de fogo.
2) Formarem e integrarem uma cadeia de união, e
3) De seguida participarem nesta, que será transformada numa roda da vida, e que girará três vezes, num simbolismo de três viagens, que cada um interpretará para si, como melhor entender!
 
- Agradecemos a todos a vossa presença e a vossa participação interessada!
 
 
CERIMONIA RITUAL
 
 
Mestre Narrador do Ocidente: Que o Mestre Celebrante do Oriente proclame aos quatro pontos cardeais, que com a transmissão das chamas está formado o anel de fogo, do círculo das testemunhas, e participantes da Festa Solsticial do Verão deste décimo quinto ano, do terceiro milénio!
 
Mestre Celebrante do Oriente ? (faz a proclamação nos 4 pontos cardeais)
 
Mestre Narrador do Ocidente Como foi formada esta Pira de fogueira ?
 
Mestre Celebrante do Oriente ? Foi com mãos humildes que recolheram da Mãe Terra os madeiros necessários a sua formação.
 
Mestre Celebrante do Ocidente - Que dimensões tem a Fogueira?
 
Mestre Celebrante do Oriente: Tem por tecto o Universo, por solo a terra e -as mesmas dimensões da pirâmide sagrada: Três côvados de base,- Quatro côvados de altura, e - Cinco côvados de diagonal
 
Mestre Narrador do Ocidente - Quem a protege?
 
Mestre Celebrante do Oriente - Uma Imensa abóbada Celeste, cheia de estrelas! ?-Está portanto sob proteção dos Espíritos Celestes ?. -Assim é: -, eles são os seus verdadeiros Protetores!
Mestre Narrador do Ocidente -Quem a guarda?
 
Mestre Celebrante do Oriente - Dois Grandes Archotes colocados à distância justa, e que figuram assim, o eixo do movimento de rotação do planeta Terra, sobre si mesma, inscrito na elipse de translação em torno do Sol.
 
- Mestre Narrador do Ocidente - Porquê?
R- Mestre Celebrante do Oriente - Para que a Harmonia das Leis Celestes se reflitam sobre a Terra, nas Leis dos homens, afim que aquilo que está em Baixo seja como aquilo que está em Cima?..
 
Mestre Narrador do Ocidente ?E porquê?
Mestre Celebrante do Oriente ? Para que assim seja, por todo o sempre, é por isso que o traçado desta Cerimónia, e segundo a Palavra transmitida, é como a abóbada celeste em todas as suas partes.
 
Mestre Narrador do Ocidente ? Mas porquê assim deve ser?
Mestre Celebrante do Oriente - Assim é, e assim deve ser, a fim que a Humanidade receba a Paz, e que a glória dos pensamentos dos Homens Bons e que querem ser livres para serem melhores, e a liberdade para permanecerem em Harmonia, em Fraternidade, Tolerância e Solidariedade.
 
 
 
Pausa
 
- Mestre Narrador do Ocidente - Que o Céu se reflita então sobre a Terra, e que assim, no horizonte do Oriente, permaneça alumiado o primeiro Archote, a Nascente!
 
E que o Mestre Celebrante do Oriente ? percorra o interior do circulo, e se detenha assinalando com o seu archote nos demais pontos cardeais, tal como o sol percorre o arco da abóbada celeste, sucessivamente o Norte, ou Boreal, o Sul ou Meio- Dia, e o Ocidente ou poente.
 
(O Mestre Celebrante do Oriente executa a instrução recebida)
 
Mestre Narrador do Ocidente - Que este  Circulo, do Nascente ou Oriente, e do Poente ou Ocidente se una, e que assim, também o Boreal, no horizonte Norte, ao Meio Dia, a Sul, se unam, e afim que tudo seja perfeito do Ocidente ao Oriente!
 
Mestre Celebrante do Oriente - Agora esta tudo unido, justo e perfeito! o Céu e a Terra estão juntos na mesma unidade universal?.com o Ocidente e o Oriente reunidos agora, e também no horizonte, do nascente ao poente, e do norte ao sul, fica completa e visível a Estrela Sirius de cinco pontas, no firmamento celeste.
 
Mestre Narrador do Ocidente É pois chegado o momento de invocarmos os votos propiciatórios das três velas no altar :
 
Mestre Narrador do Ocidente que o Mestre Celebrante do Oriente - acenda e consagre a vela vermelha !
 
Mestre Celebrante do Oriente - Anuncio-vos que esta vela vermelha fica acesa em recordação de todos os mortos/ das famílias que nos precederam nesta terra/ e sem os quais não seriamos quem somos!
 
Mestre Celebrante do Ocidente ? Que o Mestre Celebrante do Oriente acenda e consagre a Vela Azul!
 
Mestre Celebrante do Oriente - Anuncio-vos que esta vela azul fica acesa em testemunho e fidelidade/a todos os familiares e amigos ausentes/que não podem estar aqui connosco nesta noite, mas que partilham a nossa fé no eterno retorno à Luz
 
Mestre Celebrante do Ocidente - Que o Mestre Celebrante do Oriente acenda a vela Verde !
Mestre Celebrante do Oriente -Anuncio-vos que esta vela verde fica acesa na esperança que todas as crianças/que vierem a nascer/ possam perpetuar os nossos valores sob o fogo do Sol!
 
Mestre Narrador do Ocidente ? Proponho que este simbolismo seja reconhecido, e nos recorde o permanente combate diário da Luz sobre as Trevas! E que esta nossa Noite não seja senão, - de Luz!
 
Mestre Celebrante do Oriente -- No Início dos Tempos era a Lógica/, e a Lógica estava perto de Deus Criador/, e a Lógica era o Criador./ Estava no Início próximo do Criador.
?.- Tudo foi feito por Ele/, e nada do que foi criado foi feito sem Ele/. Ele era a Vida/, e a Vida era a Luz dos Homens/. E a Luz iluminava as Trevas,/ e as Trevas não a ocultavam.
?? - Que todos aqui presentes/, e que nos circundam sejam animados/, como nós assim estamos/, pela Harmonia de sentimentos fraternos, /de união, de paz e de Amor /por todos os seres.
 
Mestre Narrador do Ocidente - Que estes Lumes e Archotes Misteriosos/ que vão inflamar-se em breve neste Fogo,/ nos recordem que a Chama Espiritual que nos foi transmitida/, nunca fique jamais extinta em cada um de nós!
 
Mestre Celebrante do Oriente - Que os Archotes e lumes de cada um, nos iluminem na realização da nossa Obra comum?..
 
-??. Que estas nossas chamas nos inflamem de solidariedade no trabalho, pois que as Leis da Harmonia que regulam o Universo nos dão um tão admirável exemplo?? -Que a beleza da Luz nos acompanhe?..Que a Harmonia da Alegria esteja nos corações! ?.que  a justiça permaneça entre os Homens ?..e que a força da Tolerância  Fraternidade e da Solidariedade reinem entre nós, para Sempre em Paz!
 
 
Mestre Narrador do Ocidente -  Ao meu sinal que o Mestre Celebrante do Oriente  acenda a Fogueira !
 
(assim é executado, e  regressa ao seu lugar)
 
 
PAUSA ..........
(E logo que as chamas se ateiem na grande fogueira):
 
 
Mestre Narrador do Ocidente - Que sejam lançados os perfumes na Fogueira o incenso, a resina e a mirra, pelo Mestre Celebrante do Oriente
 
Mestre Celebrante do Oriente (toma pausadamente cada um dos recipientes) - e anuncia:
 
- Deito ao fogo o incenso, para perfumar a elevação dos nossos espíritos
-   Deito ao fogo a mirra, para agradar aos espíritos dos que nos precederem
 
- Deito ao fogo a resina, para consagrar este momento à sabedoria e à justiça
 
 
Mestre Celebrante do Oriente
- Como desde os séculos dos séculos,/ desde o tempo dos santuários,/ que o Fogo Sagrado flua perante o Senhor da Eternidade,
 
- Que este Fogo,/ e estes perfumes olorosos purifiquem/ e envolvam todo o nosso ser!
 
- Que as nossas inteligências se desenvolvam,/ e que os espíritos dominem sem cessar,/ em nós, /os impulsos materiais inferiores
 
- Que as nossas alegrias sejam apenas/ as do SER e do ESPIRITO!
 
- Que a todos nós seja possível/ sermos tão felizes cá em Baixo,/ como tal seja possível ao Homem/ desejar lá em Cima.
 
-Que o Fogo receba também o Sal, símbolo da amizade duradoura, e da imortalidade! (deita o sal grosso) na Fogueira.
 
Que as chamas dancem alto, E reaqueçam os nosso corações
Que as centelhas irrompam, e tragam luz ás nossas almas.
 
Que as crepitações nos despertem, e que os nossos votos e desejos se realizem,
 
Que o fumo suba alto, em direção ao criador, no céu estrelado.
 
Que as bênçãos celestes recaiam sobre todos nós!
 
 
Mestre Narrador do Ocidente -Guardemos agora um minuto de silêncio /para contemplarmos as chamas interiores e exteriores que nos animam.
(pausa)
 
- Que se aproximem todos os celebrantes/ e testemunhas/ e juntem a sua chama, à de todos nós!
 
- Que cada um venha dos seus pontos cardeais/ juntar o seu lume,/ antes da bênção da evocação final concedida,/ para que os desejos e os votos de todas as almas/ sejam admitidos.
 
- que se aproximem todos os participantes/ e testemunhas,/ que juntem a chama de cada um à de todos nós/ e que nesse momento formulem um desejo,/ ou um voto, ou uma promessa solene/ que esperam, seja cumprido
 
(Os participantes um a um, à exceção do Mestre Narrador  do Ocidente colocam ordeiramente os seus lumes/velas na Fogueira, sendo o último o Celebrante do Oriente, que além do seu archote atira ou coloca, a vela vermelha, a azul e a verde, retirando-as do altar)


Nota: Nesta ocasião inicia-se a reprodução sonora da dança ritual do Fogo de Manuel Falla
 
Mestre Celebrante do Oriente - Que estas brasas, antes de desaparecerem, deixem nos nossos corações a Luz, o Fogo do seu poder, e da sua Força !
Guardemos agora serenamente, mais um minuto de silêncio inspirador/ para contemplarmos as chamas interiores e exteriores que nos animam
 
 
(curta pausa)
 
Mestre Narrador do Ocidente (sempre com o archote aceso): - Formemos a Cadeia de União!
 
-O Mestre Celebrante do Oriente, procede à formação de Uma Cadeia Longa (de mãos dadas) que, por si liderada, como uma roda, dará três voltas dextorsum, na busca da luz do Oriente, com epicentro na Fogueira, e com início pelo Oriente, e retorna a este lugar, depois de passar pelos outros pontos cardeais. Todos os participantes tomam parte nesta cadeia de união.
 
Mestre Celebrante do Oriente: (que não integra a cadeia e que circulará no seu interior) - vamos todos agora iniciar as nossas três viagens simbólicas da Roda Viva (Roda da Vida)!
 
No início da 1ª volta, proclama:
 
- Esta primeira viagem em passos lentos, recorda-nos/ a fase de aprendizes das nossas vidas./ Relembra-nos a infância, /hesitantes no caminho a prosseguir, /em que a mão do nosso guia próximo / é o conforto indispensável e em quem se pode confiar o sentido da nossa marcha/ pelo mundo.
 
No início da segunda volta, o Mestre Celebrante proclama:
 
-Esta segunda viagem em passo normal, representa a nossa idade ativa/ de companheiros,/ já podemos pelo pouco saber adquirido/ confiar nas mãos dos que nos precedem,/ ou que nos seguem em companhia,/ e por isso, mais confiantes, /já pouco hesitámos nos nossos passos.
 
No início da terceira volta, O Mestre Celebrante proclama:
 
- Esta terceira e última viagem/ com passos amplos simboliza o grau de maturidade e mestria/ que podemos alcançar,/ os nossos passos são mais rápidos,/ e acham-se mais soltos e lestos,/ já podemos auxiliar aprendizes e companheiros,/ pois só se transmite o que antes se adquire!
 
 
 
Evocação Final
 
Mestre Narrador do Ocidente -Terminada a terceira volta, a cadeia fica estática, no seu ponto de partida, formando todos (numa nova cadeia), a exemplo do Mestre Celebrante do Oriente, agora cada um com a mão esquerda no ombro direito da testemunha da esquerda, e com a mão direita sobre o próprio coração, em sinal de felicidade, fidelidade e comunhão, constituindo-se assim, uma corrente fraterna e solidária, purificadora da energia positiva!
 
- Meus Irmãos ... e Irmãs, meus Amigos... e Amigas...., congratulemo-nos pela cerimonia que cumprimos com rigor, ritual e lealmente.
 
-Que o símbolo das chamas que fizemos reviver,/ nos conduza por cada um dos dias vindouros/ para a Perfeição do nosso Trabalho.
 
-Fiquemos fortalecidos nos nossos corações/ pelo Amor do nosso próximo,/ e pelo sentimento de fidelidade no cumprimento dos nossos Deveres de consciência,/ como nós nos devotamos ao serviço da Verdade.
 
-Que as nossas futuras Festas/ de celebração dos Solstícios e do Fogo de São João,/ sejam cada vez mais afirmadas pela vossa união,/ e pela vontade de sermos úteis aos nossos semelhantes.
 
- Que elas sejam para sempre/ um espaço de Paz, (de Harmonia,/ e de Tolerância fraterna,/ e que a Cadeia das nossas mãos e corações/ seja, a partir de agora,/ tão forte entre nós,/ que nada possa,/ nunca a quebrar.
 
 
 
PAUSA de Poucos instantes
 
Mestre Celebrante do Oriente ? (Sempre com os eu archote aceso) Rompamos a Cadeia de União a exemplo do Mestre Celebrante do Oriente! (e este explica)
 
- Acompanhem-me ao meu ritmo e exemplo: desfazem a cadeia e soltam as mãos, levantam os 2 braços ao céu, e depois deixam-nos cair ao longo do corpo com uma palmada seca. Todos ao mesmo tempo!
????????.
 
 
(curta pausa, mantendo-se a formação do círculo)
 
 
Mestre Narrador do Ocidente - A que momento devem os fogos de São João estar findos no Solstício?
 
Mestre Celebrante do Oriente - É meia-noite! O momento chegou!
Porque assim é, antes de nos separarmos com ordem e harmonia, que ressoe em uníssono na noite, o nosso triplo sinal de alegria:
 
-Todos, e três vezes três!
 Vivat, Vivat, semper Vivat

Todos :
Vivat, Vivat, semper Vivat
Todos
Vivat, Vivat, semper Vivat
Todos
Vivat, Vivat, sempre Vivat
 
(final)
 
O Mestre Celebrante do Oriente empunha o seu archote aceso, declara:- cabe-nos pela terceira e ultima vez. guardar um minuto de silêncio em memória de todos que nos foram queridos, e que deixaram o nosso convívio, e simbolicamente através do fogo de artifício enviar-lhes as nossas pequenas estrelas, para junto das grandes estrelas que eles são no Firmamento?.e que contemplamos da Terra
 
Segue-se o fogo-de-artifício preso por 1 minuto
 
e finalmente, O Mestre Narrador do Ocidente, sob a música do Tema Alegria,  do Cirq du Soleil,  conduz seguido pelo, o cortejo das Testemunhas participantes, para em coluna individual, encerrada pelo Mestre Celebrante do Oriente, abandonarem em silêncio, a plataforma da cerimonia, e subirem o caminho para regressaram, em fila, e à esplanada da Nogueira Velha, do ágape, onde todos são livres de partilharem as suas impressões dos momentos vividos.

 
Texto de MPC/LNC 19 de junho de 2015
 


Fonte: http://bardoalem.blogspot.com/2015/06/agape-e-celebracao-ritual-e-noturna-do.html

TERTULIA de 23 de MAIO sobre Os Obreiros da construção do GRANDE OCIDENTE com NUNO GONÇALVES - 20Abr2015 11:12:00



 
 
 

Tertúlia DIA 23 de maio AS 12H
Alenquer
Bar do Alem
(Sala de convívio do Alenquer Camping)
Orador Nuno Gonçalves
Tema: os Obreiros do Grande Ocidente

Moderador: Luís Nandin de Carvalho
Almoço debate: 
Inscrições limitadas 20?/pax
Menu: Entradas variadas, prato principal, bacalhau com natas e salada, sobremesa surpresa,
refrigerante e Vinho da Região Demarcada de Alenquer, café
Reservas com pagamento da inscrição
NIB:0033 0000 4541 5435 89105


Informação sobre o Orador e sobre o tema: facebook
https://www.facebook.com/pages/Os-Obreiros-do-Grande-Ocidente/498582996940056 


Bem poucos são ainda os que sabem que a Grande Pátria Lusófona ? Goa, Portugal e Brasil, com os seus satélites continentais e insulares ? encabeça no presente a mecanogénese secreta das civilizações rumo ao futuro. É verdade. O Arquétipo Universal do Quinto Império do Espírito Santo temporalmente forjado no decorrer da Diáspora Marítima Lusitana, aguarda agora os dias da sua realização integral. Assim o dita a Última Grande Revelação quanto ao futuro imediato do mundo, proferida e redigida na língua de Camões, e que nós temos o privilégio de conhecer e de aqui partilhar, porquanto bem poucos são ainda os que sabem? 

"Os Obreiros do Grande Ocidente" é uma obra original de índole cultural-espiritualista, em que é abordado o Itinerário da Alma Coletiva da Humanidade através das civilizações a caminho da consumação de uma nova Idade de Ouro. Dando como ponto de partida os dois berços indeléveis (no âmbito da civilização pós-atlante) das diversas correntes esotéricas hoje estudadas ? Índia e Egipto ?, o discurso pretende levar o leitor a entender a relevância da ?pátria universal lusófona? ? mormente Portugal e o Brasil ? no âmbito da mecanogénese civilizacional do Orbe, cujo escopo capital reside, em última análise, na implementação da Sinarquia Universal. O contributo inestimável dos Iniciados lusófonos não é aqui ineditamente discorrido, mas ainda assim são apresentados durante o discurso elementos relevantes e complementares relativamente ao pouco que já foi escrito a respeito. Apresentando reiteradas propostas de âmbito reformista no quadro do paradigma sociopolítico atual, o autor abdica de todo e qualquer reconhecimento meritório face ao discurso que, apesar de sua lavra, foi construído sob uma perspetiva transpessoal, intentando assim fazer jus à necessidade urgente em substituir o sentido de egoidade individualista pelo de Unidade Fraternal. 
 



https://lh3.googleusercontent.com/-7TIfnMR8gb4/VTVABvjv_VI/AAAAAAAAVG8/ENaSVrDhgrs/h120/transferir.jpgtexto de apoio
(wikipedia)



Elena Petrovna Blavatskaya (em russo: ????? ???????? ??????????, Ekaterinoslav, Império Russo, atualmente na Ucrânia, 30 de julho - 31 de julho de 1831 (c. juliano) (12 de agosto de 1831 (c. gregoriano)) ? Londres, 8 de maio de 1891), mais conhecida como Helena Blavatsky ou Madame Blavatsky, foi uma prolífica escritora russa, responsável pela sistematização da moderna Teosofia e cofundadora da Sociedade Teosófica.[1]
Personalidade complexa, dinâmica e independente, desde pequena Elena Blavatskaya mostrou possuir um caráter forte e dons psíquicos incomuns, e logo em torno dela se formou um folclore doméstico. Imediatamente após um casamento frustrado, deixou o esposo e partiu em um longo período de viagens por todo o mundo em busca de conhecimento filosófico, espiritual e esotérico, e nesse intervalo alegou ter passado por inúmeras experiências fantásticas, entrado em contato com vários mestres de sabedoria ou mahatmas e deles recebido na condição de discípula um treinamento especial para desenvolver seus poderes paranormais de forma controlada, a fim de que pudesse servir-lhes de instrumento para a instrução do mundo ocidental. A partir de 1873 iniciou sua carreira pública nos Estados Unidos, e em pouco tempo se tornou uma figura tão celebrada quanto polêmica. Exibiu seus poderes psíquicos para grande número de pessoas, deslumbrando a muitos e despertando o ceticismo em outros, que não raro a acusaram de embuste, muitas vezes com boas evidências para tal. Entretanto, em muitos outros casos seus poderes pareceram autênticos. A controvérsia a acompanhou por todo o resto de sua vida e ainda hoje está acesa. Nos Estados Unidos estabeleceu uma duradoura aliança de trabalho e companheirismo com Henry Olcott, com quem fundou a Sociedade Teosófica, e em 1877 Blavatsky publicou sua primeira obra importante, Ísis sem Véu, já tendo escrito antes inúmeros artigos. Pouco depois ela e Olcott transferiram a sede da Sociedade para a Índia, e passaram a viver lá, até que um incidente, o Caso Coulomb, abalou gravemente sua reputação internacional, quando foi declarada culpada de fraude num relatório publicado pela Sociedade de Pesquisas Psíquicas de Londres. Voltou então para a Europa, onde continuou escrevendo e divulgando a Teosofia. Seus anos finais foram difíceis, estava frequentemente adoentada e envolvida em discussões públicas, tinha de administrar a Sociedade que fundara e que crescia rapidamente, e a quantidade de trabalho que se impunha era enorme. Mesmo assim pôde concluir seu livro mais importante, A Doutrina Secreta, uma síntese de História, Ciência, Religião e Filosofia, e deixar outras obras de relevo, além de profusa correspondência e grande coleção de artigos e ensaios.[1]
Blavatsky surgiu em um momento histórico em que a religião estava sendo rapidamente desacreditada pelo avanço da Ciência e da Tecnologia, e que testemunhou o nascimento de uma série de escolas de ocultismo ou de pensamento alternativo, muitas delas com base conceitual pouco firme ou desenvolvendo práticas apenas intuitivas, que ganhavam grande número de adeptos em virtude do fracasso do Cristianismo em fornecer explicações satisfatórias para várias questões fundamentais da vida e sobre os processos do mundo natural. A importância da contribuição de Blavatsky foi então reafirmar o divino, mas oferecendo caminhos de diálogo com a Ciência e tentando purgar a Religião institucionalizada de seus erros seculares, combatendo o dogmatismo e a superstição de todos os credos e incentivando a pesquisa científica, o pensamento independente e a crítica da cega através da razão. Lutou contra todas as formas de intolerância e preconceito, atacou o materialismo e o ceticismo arrogante da ciência, e pregou a fraternidade universal. Sem pretender fundar uma nova religião, sem reivindicar infalibilidade nem se intitulando proprietária ou autora das ideias que trouxe à luz, apresentou ao mundo ocidental uma síntese de conceitos, técnicas e interpretações de uma grande variedade de fontes filosóficas, científicas e religiosas do mundo, antigas e modernas, organizando-as em um corpo de conhecimento estruturado, lógico e coerente que compunha uma visão grandiosa e positiva do universo e do homem. Com isso a Teosofia se tornou, ainda que contestada por vários críticos, um dos mais bem sucedidos sistemas de pensamento eclético da história recente do mundo, unindo formas antigas e novas e provendo pontes entre vários mundos diferentes - sabedoria antiga e pragmatismo moderno, oriente e ocidente, sociedade tradicional e reformas sociais. Influenciou milhares de pessoas em todo o mundo desde que apareceu, desde a população comum a estadistas, líderes religiosos, literatos e artistas, e deu origem a um sem-número de seitas e escolas de pensamento derivativas.[2]


Fonte: http://bardoalem.blogspot.com/2015/04/tertulia-de-23-de-maio-sobre-os.html

tertulia sobre os ROSA CRUZ com RUI DE FREITAS dia 18 de ABRIL, as 12h em Alenquer - 29Mar2015 23:18:00

 Os Rosa Cruz com Rui Freitas
Origens, Filosofia e Mensagem
Moderador Luís Nandin de Carvalho
LOCAL
Tertúlia do Bar do Alem
Alenquer, EN Nº 9, Km 94
dia 18 de ABRIL, sábado as 12h
Almoço Debate
Menu 20?/pax
Entradas variadas, prato principal,
(entrecosto com favas e soja verde)
sobremesa surpresa,
vinho da região e café
Pagamento com a inscrição
NIB 0033.0000.4541.5435.89105
(lotação limitada)
 
Fontes (entre outras)
 
A Fundação Rosacruz é uma organização cultural sem fins lucrativos cujo objectivo é o estudo e a divulgação do pensamento hermético e rosacruz e a sua influência nos grandes pensadores e movimentos civilizacionais.
Desde a sua criação em 1992, desenvolveu uma actividade incessante constituindo bibliotecas abertas ao público, publicando trabalhos de pesquisa, conferências, exposições e concertos de música, tradução e edição de livros, revistas e catálogos.
 
  • Fundação ibérica sem fins lucrativos inscrita no Protectorado do Ministério da Cultura de Espanha. Promovida pelo Lectorium ...Rosicrucianum e fundada em 1993, aborda diversas áreas de trabalho cujos resultados se concretizam em apresentações públicas, simpósios e na tradução e edição de fundos especializados (livros e monografias). Em toda a Península Ibérica a Fundação tem criado bibliotecas públicas, dotadas de um acervo notável à disposição das pesquisas e interesse público. Para isso colabora com diferentes investigadores e importantes entidades especializadas em hermetismo e gnose, como a Bibliotheca Philosophica Hermética de Amesterdão, a De Rosekruis Pers, também na Holanda, e diversos investigadores do mundo académico espanhol e português.
  •  
    Desde o seu berço, no Antigo Egipto, o hermetismo manifestou-se como um compêndio filosófico de grande solidez que quase não... sofreu mudanças com o passar do tempo.
    Marsilio Ficino (1433-1499) traduziu o Corpus Hermeticum por ordem de Cosme de Médicis, acendendo de novo a chama deste conhecimento na Europa e impulsionando assim aquilo a que se chamaria Renascimento.
    O Renascimento trouxe à luz os ensinamentos que durante a Idade Média tinham sido perseguidos, dando um impulso formidável a um novo pensamento que daria origem a uma maior consciência.
    Atualmente, a ciência empírica aproxima-se dos preceitos herméticos e reconhece-os como base sólida de um conhecimento indubitável.
    A Fundação Rosacruz propõe-se mostrar esse conhecimento, e tornar acessível a todos os interessados, uma compreensão dessa filosofia. Os trabalhos da Fundação estão abertos a todos e procura-se que sejam acessíveis, sem perder rigor nem qualidade, tentando aproximar dos interessados um conhecimento capaz de atravessar as estruturas mentais do conformismo actual.
  •  
    A Fundação Rosacruz (http://www.fundacionrosacruz.org/) tem como objectivo central a divulgação do pensamento filosófico her...mético e suas influências no humanismo, na arte ena ciência. Objectivo que se traduz na realização de conferências, palestras, concertos,exposições, e projectos de investigação; e da criação de bibliotecas públicas. É um projecto aberto e pluralista, que conta com a participação de investigadores e colaboradores das mais diversas áreas. Realizou convénios com a Biblioteca Philosophica Hermetica de Amsterdão (http://www.ritmanlibrary.nl/); com a Rozekruis Pers (www.rozekruispers.com) e tem desenvolvido colaborações com várias entidades como a Biblioteca Arús, de Barcelona (www.bpa.es). 
  •  
    A Fundação Rosacruz, em colaboração com institutos, autarquias e investigadores criou uma rede de bibliotecas públicas com a...cervo especializado em hermetismo, disponibilizando ao público fontes documentais e trabalhos científicos. Prestando um serviço público de valor reconhecido pelo meio académico e por todos os pesquisadores, a Fundação abre as suas portas semanalmente nas cidades de Barcelona, Saragoça, Madrid, Valência e Lisboa. Em Lisboa, a Biblioteca pública da Fundação funciona na Travessa das Pedras Negras nº 1, 1º, às segundas-feiras das 18h00 às 21h00, ou por marcação para portugal@fundacionrosacruz.org 

  •  


    Fonte: http://bardoalem.blogspot.com/2015/03/tertulia-sobre-os-rosa-cruz-com-rui-de.html

    Texto de Sergio Domingues sobre as previsoes das crises Economicas início, meio e fim....(a 21 de Fevereiro de 2015) - 05Mar2015 20:50:00


     
     
    O MISTÉRIO DOS CICLOS ECONÓMICOS DESDE HÁ 5000 ANOS ATRÁS

     

    Tertúlia no Bar do Além, Alenquer, 21 de Fevereiro de 2015

     

     

    A explicação e previsão dos ciclos económicos tem sido um dos maiores quebra-cabeças dos economistas da era moderna.

     

    Muito se tem escrito sobre este tema mas, na realidade, até há bem pouco tempo, ninguém tinha conseguido uma explicação cabal para este estranho fenómeno.

     

    Governar um país, gerir uma empresa ou mesmo a nossa vida pessoal é um autêntico totoloto se não tivermos uma perspectiva correcta de qual vai ser o clima económico em que se vai inserir a nossa acção nos anos mais próximos.

     

    Preocupado com tão grave falha da vida moderna, o autor procurou soluções alternativas para encontrar a verdadeira explicação para este aparentemente estranho fenómeno, uma vez que o padrão cíclico da economia nunca foi encontrado através da simples pesquisa baseada unicamente em dados estatísticos.

     

    A razão para este fracasso é evidente: que fiabilidade nos podem fornecer as estatísticas, se os números finais resultam sempre de governações que tomam sistematicamente medidas contra-cíclicas? O efeito cíclico esbate-se, altera-se, antecipa-se ou postecipa-se e, assim, uma análise posterior acaba sempre por ser errada ou inconclusiva.

     

    Recordando os bons exemplos do passado narrados nos livros sagrados e outros, como as histórias de José do Egipto, de Salomão e dos Imperadores Chineses, decidiu confrontar os ciclos enunciados pela Teoria das Cinco Transformações ? uma teoria milenar de origem oriental que enuncia ciclos naturais de expansão e contracção (Yin e Yang) ? com os ciclos económicos conhecidos dos dois últimos séculos e a coincidência foi total. O ciclo natural de nove anos desta teoria ajustou-se que nem uma luva a todos os ciclos conhecidos do passado recente.

     

    Aprofundando um pouco o estudo percebeu que este ciclo de nove anos era constituído por três períodos bem distintos: um período de três anos de expansão económica, seguido de outro de instabilidade de igual duração e, finalmente, um período de três anos de contracção económica ? a tão conhecida e temida crise económica que tanto nos tem afectado.

     

    Compreendeu também que os restantes ciclos de maior duração estão todos intimamente integrados, são todos múltiplos de nove e são todos submúltiplos de 25 920 anos que corresponde à duração do movimento de precessão do eixo da Terra. Os mais importantes serão o ciclo inflacionário de 54 anos (Kondratiev), o ciclo de 108 anos a que chamou o ciclo das grandes depressões e o assustador ciclo de hiperinflação de 432 anos. Muitos outros existirão, como o ciclo civilizacional de 2 160 anos, o ciclo das grandes catástrofes de 12 960 anos e outros que precisaremos de estudar no futuro com maior precisão e profundidade e, obviamente, com acesso a outros meios de investigação.

     

    Compreendido finalmente o ritmo da nossa vida económica a longo prazo, ousou, em 2003, fazer previsões para o ciclo que, segundo este estudo, teria início em Agosto de 2004.

     

    Ao reler hoje essas previsões parece estarmos a ler, à posteriori, a história económica recente: retoma efectiva a partir de meados de 2004, forte expansão económica em 2005 e 2006 (lembram-se da gabarolice do ministro Teixeira dos Santos relativamente ao equilíbrio das contas públicas nessa altura? Pudera! No auge de um período de crescimento económico tão forte!...). Viragem em baixa do ciclo em Agosto de 2007 (foi nessa altura que começou a formar-se o buracão de 2008?), crise financeira em 2008 e 2009 e? quando todos os políticos, economistas e demais ?entendidos? na matéria de todo o mundo anunciavam aos quatro ventos retomas para os anos seguintes? uma forte crise económica que se estendeu até meados de 2013!!! Tudo na mouche! Tudo muito bem explicado, e com uma diferença fundamental: foi escrito com muitos anos de antecedência, ao contrário da generalidade dos economistas que só escreve? depois de as coisas terem acontecido.

     

    Qual deveria ter sido a vantagem (oportunidade desperdiçada) destas previsões, se algum governante verdadeiramente responsável as tivesse adoptado (digo bem ?adoptado?, porque lê-las ?eles? leram-nas, que o livrinho já leva duas edições vendidas, mas devem ter achado que eram demasiado fantasiosas)?: nada menos do que prever e evitar a monstruosidade que foi a crise financeira do sub-prime, e a crise económica que se lhe seguiu, funestos acontecimento dos quais provavelmente nunca mais iremos livrar-nos verdadeiramente, tal foi a hecatombe!

     

    Mas há mais e provavelmente ainda mais importante! É que o ciclo de 108 anos que termina em 2037, contado a partir da Grande Depressão iniciada em 1929, vai ter uma força de mudança tão grande e tão radical nas nossas sociedades e nas nossas vidas que aquilo que mais deveria preocupar-nos neste preciso momento (se é que ainda vamos a tempo?) era a árdua tarefa de mudar o nosso status quo económico e sobretudo financeiro para evitarmos as catástrofes que se avizinham inexoravelmente. Os sinais são claríssimos e só mesmo quem quiser fazer de avestruz será capaz de ignorá-los.

     

    Acabar radicalmente com os paraísos fiscais, a concentração desenfreada de capitais, a cada vez maior desigualdade na distribuição de riqueza, o deixa-andar das economias das armas, das drogas e de outras ?subtilezas? económicas mais ou menos subterrâneas talvez ajudasse a minorar os efeitos do que está para nos acontecer até 2037. Ao ritmo actual vai ser muito difícil evitar guerras brutais e catástrofes humanitárias que, infelizmente, já são uma realidade no Corno de África, no Sudão, na Síria e, um pouco por todo o mundo onde os interesses económicos imediatos se instalaram.

     

    De salientar que este fim de ciclo, dito secular mas que na realidade tem 108 anos, coincide com o fim do ciclo de 432 anos (4 x 108), o chamado ciclo de hiperinflação em que os preços sobem qualquer coisa como 400% e se mantêm definitivamente nesse patamar. Alguém imagina o mundo actual com uma subida repentina da inflação de 400%???

     

    Leiam e releiam os livros ?1929-2037 ? Os Ciclos Económicos e a Teoria das Cinco Transformações? e ?Teoria Geral e Previsional dos Ciclos Económicos?, tal como a restante bibliografia recomendada sobre esta teoria e espantem-se com a simplicidade do que os velhos conhecimentos orientais nos podem ensinar. Espantem-se também com a simplicidade com que, se houvesse alguma vontade política (e se esta fosse independente do poder dos monopólios), poderíamos mudar este mundo: prevendo os ciclos económicos e corrigindo, por antecipação, as suas inflexões que, sendo inexoráveis, com um pouco de sabedoria e boa vontade, poderiam muito bem ser ?aplainadas? ao ponto de quase não nos afectarem, como aconteceu com José do Egipto, Salomão e com os Imperadores Chineses.

     

     

    Sérgio Domingues

     

     


    Fonte: http://bardoalem.blogspot.com/2015/03/texto-de-sergio-domingues-sobre-as.html

    Os Orixás e a personalidade humana..............proxima Tertúlia de 28 de Março com Mena Lobo - 23Fev2015 13:16:00

     
    *****
     
     
    Dia 28 de Março, sábado as 12h almoço debate na Tertúlia do Bar do Alem
    Alenquer, EN nº 9, KM 94
    oradora
    MENA LOBO
    moderador
    Nandin de  Carvalho
    inscrições pelo email bar.do.alem@gmail.com
    20?/pessoa, menu completo com entradas variadas, prato principal, Arroz de pato no forno com salada, sobremesa surpresa, vinho, café
    ******
     
    Para informação texto de Leonardo Boff
    ?
     

    O encanto dos Orixás

     Quando atinge grau elevado de complexidade, toda cultura encontra sua expressão artística, literária e espiritual. Mas ao criar uma religião a partir de uma experiência profunda do Mistério do mundo, ela  alcança sua maturidade e aponta para valores universais. É o que representa a Umbanda, religião, nascida em Niterói, no Rio de Janeiro, em 1908, bebendo das matrizes da mais genuína brasilidade, feita de europeus, de africanos e de indígenas. Num contexto de desamparo social, com milhares de pessoas desenraizadas, vindas da selva e dos grotões do Brasil profundo, desempregadas, doentes pela insalubridade notória do Rio nos inícios do século 20, irrompeu uma fortíssima experiência espiritual.

    O interiorano Zélio Moraes atesta a comunicação da Divindade sob a figura do Caboclo das Sete Encruzilhadas da tradição indígena e do Preto Velho da dos escravos. Essa revelação tem como destinatários primordiais os humildes e destituídos de todo apoio material e espiritual. Ela quer reforçar neles a percepção da profunda igualdade entre todos, homens e mulheres, se propõe potenciar a caridade e o amor fraterno,  mitigar as injustiças, consolar os aflitos e reintegrar o ser humano na natureza sob a égide do Evangelho e da figura sagrada do Divino Mestre Jesus.

    Oxum, orixá feminino, é a deusa dos rios, lagos e cachoeiras. Simboliza o poder da água doce, sem a qual nossa vida se torna impossível. Originária do candomblé africano, Oxum é uma das divindades mais cultuadas da umbanda.
    O nome Umbanda é carregado de significação. É composto de OM (o som originário do universo nas tradições orientais) e de BANDHA (movimento incessante da força divina). Sincretiza de forma criativa elementos das várias tradições religiosas de nosso pais criando um sistema coerente. Privilegia as tradições do Candomblé da Bahia por serem as mais populares e próximas aos seres humanos em suas necessidades. Mas não as considera como entidades, apenas como forças ou espíritos puros que através dos Guias espirituais se acercam das pessoas para ajudá-las. Os Orixás, a Mata Virgem, o Rompe Mato, o Sete Flechas, a Cachoeira, a Jurema e os Caboclos representam facetas arquetípicas da Divindade. Elas não multiplicam Deus num falso panteismo mas concretizam, sob os mais diversos nomes, o único e mesmo Deus. Este se sacramentaliza nos elementos da natureza como nas montanhas, nas cachoeiras, nas matas, no mar, no fogo e nas tempestades. Ao confrontar-se com estas realidades, o fiel entra em comunhão com Deus.
    A Umbanda é uma religião profundamente ecológica. Devolve ao ser humano o sentido da reverência face às energias cósmicas. Renuncia aos sacrifícios de animais para restringir-se somente às flores e à luz, realidades sutis e espirituais.
    Há um diplomata brasileiro, Flávio Perri, que serviu em embaixadas importantes como Paris, Roma, Genebra e Nova York que se deixou encantar pela religião da Umbanda. Com recursos das ciências comparadas das religiões e dos vários métodos hermenêuticos elaborou perspicazes reflexões que levam exatamente este título O Encanto dos Orixás, desvendando-nos a riqueza espiritual da Umbanda. Permeia seu trabalho com poemas próprios de fina percepção espiritual. Ele se inscreve no gênero dos poetas-pensadores e místicos como Alvaro Campos  (Fernando Pessoa), Murilo Mendes, T. S. Elliot e o sufi Rumi. Mesmo sob o encanto, seu estilo é contido, sem qualquer exaltação,  pois é esse rigor que a natureza do espiritual exige.
    Além disso, ajuda a desmontar preconceitos que cercam a Umbanda, por causa de suas origens nos pobres da cultura popular, espontaneamente sincréticos. Que eles tenham produzido significativa espiritualidade e criado uma religião cujos meios de expressão são puros e singelos revela quão profunda e rica é a cultura desses humilhados e ofendidos, nossos irmãos e irmãs. Como se dizia nos primórdios do Cristianismo que, em sua origem também era uma religião de escravos e de marginalizados, ?os pobres são nossos mestres, os humildes, nossos doutores?.
    Talvez algum leitor/a estranhe que um teólogo como eu diga tudo isso que escrevi. Apenas respondo: um teólogo que não consegue ver Deus para além dos limites de sua religião ou igreja não é um bom teólogo. É antes um erudito de doutrinas. Perde a ocasião de se encontrar com Deus que se comunica por outros caminhos e que fala por diferentes mensageiros, seus verdadeiros anjos. Deus desborda de nossas cabeças e dogmas.

    Quem é Leonardo Boff
     Leonardo Boff nasceu em Concórdia, Santa Catarina, em 14 de dezembro de 1938.
    É neto de imigrantes italianos da região do Veneto, vindos para o Rio Grande do Sul no final do século 19.
    Cursou filosofia em Curitiba, Paraná, e teologia em Petrópolis, Rio de Janeiro. Doutorou-se em teologia e filosofia na Universidade de Munique, Alemanha, em 1970.
    Ingressou na Ordem dos Frades Menores, franciscanos, em 1959.
    Durante 22 anos, foi professor de teologia sistemática e ecumênica em Petrópolis, no Instituto Teológico Franciscano.
    Professor de teologia e espiritualidade em vários centro de estudo e universidades do Brasil e do exterior, além de professor-visitante nas Universidades de Lisboa (Portugal), Salamanca (Espanha), Harvard (EUA), Basel (Suíça) e Heidelberg (Alemanha).
    Em 1984, em razão de suas teses ligadas á Teologia da Libertação, apresentadas no livro Igreja: Carisma e Poder, foi submetido a um processo pela Sagrada Congregação para a Defesa da Fé, ex-Santo Ofício, no Vaticano.
    Em 1985, foi condenado a 1 ano de ?silêncio obsequioso? e deposto de todas as suas funções editoriais e de magistério no campo religioso.
    Dada a pressão mundial sobre o Vaticano, a pena foi suspensa em 1986.
    Em 1992, sendo de novo ameaçado com uma segunda punição pelas autoridades de Roma, renunciou às suas atividades de padre e se autopromoveu ao estado leigo. Como seus amigos e alunos costumam dizer, ?mudou de trincheira para continuar a mesma luta?.
     Leonardo Boff é autor de Meditação da Luz. O caminho da simplicidade. Vozes 2009.
     Site oficial: http://www.leonardoboff.com

    (OGUM, o Orixá que vai reger o ano de 2015)


    Palestra de Miriam Prestes de Oxalá
    https://www.youtube.com/watch?v=TGOT-1FYJPk

    Fonte: http://bardoalem.blogspot.com/2015/02/os-orixas-e-personalidade-humanaproxima.html

    Previsoes astrologicas para Portugal por Helder Lobo apresentadas na Tertulia do Bar do Alem - 21Fev2015 00:26:00




    Boa tarde !


    Obrigado por estarem aqui neste momento, na Tertúlia do Bar do Além, em Alenquer, hoje dia 24 de Janeiro de 2015.
    Proponho-me olhar para Portugal e para este ano de 2015, baseado no seu nascimento a 8 de Março de 1143. Já lá vão 870 e quase dois anos.


    É o mapa com o qual tenho trabalhado, e que me tem dado muito boas indicações aos mais diversos níveis, quer na sua personalidade como criatura, quer em outros aspetos tendo em conta que o seu comportamento é o resultado do trabalho das suas células que são mais de 10 milhões.
    Se porventura algumas delas, dalgum órgão estão doentes temos então uma maleita que poderá afetar o todo, o corpo todo.
    E com isto vamos dar uma mirada para esse princípio, esse momento do nascimento e para os dados que este nos apresenta.
    Peço-lhes que me acompanhem com a vossa imaginação a criar aqui por cima da vossa cabeça um sistema solar tridimensional. Assim:
    Estamos habituados a que as cartas astrológicas sejam bidimensionais. Na perspetiva tridimensional há outro sabor?
    E aqui começam os recados do recém-nascido:
    Fui nómada, venho do Aquário e da casa IX, logo, do estrangeiro.
    E quero vir a ser, quero descobrir-me e fazer em primeiro lugar amizade comigo mesmo, e essa amizade é tanto mais profunda quanto o nodo (indicador cármico) norte está conjunto com a lua, o que quer dizer, ao nível emocional.
    E, no fundo do céu, o meu lar, tenho essa energia condicionada pelas memórias da infância.


    Um potencial que só se vai revelar quando me consciencializar e olhar para o meio do céu?
    Aí Saturno, presente simboliza a experiência?
    POSIÇÃO DE 5
    Saturno simboliza a experiência que vimos adquirir nesta incarnação. Contém o nó cármico, uma memória dolorosa que as suas defesas encerram.
    ----------------------------------------------------------------------------------------------
    O signo onde Saturno se encontra, revela a experiência que viermos aadquirir, capaz de nos libertar desse medo inconsciente.
    Assim:
    Saturno na casa X em Peixes é o planeta cármico em bigo cármico.
    Aqui ele está num signo mutável o que lhe acarreta com frequência a tendência para pensamentos negativos, para se obstinar o que revela algo duma vida passada e, neste caso com os antecedentes que estavam lá muito para trás no seu passado.
    E nesta casa de Atattus, este Saturno arrasta-nos para os lamentos e dalgum modo a lembrar-nos Fernão Mendes Pinto, e mais vulgarmente o nosso sentido coletivo do lamento, do isto está mau, dum certo fatalismo e egocêntrico e extremista.
    Este Saturno faz parte dum triângulo em que está ligado a Marte na casa II, a casa dos teres e haveres e aí o temos com o seu sentido prático, paciência e uma grande dose de moderação.
    E lança também outra ligação para Úrano que está na casa VI, casa do serviço e saúde. Aqui Úrano revela-nos métodos estranhos e avançados na área do trabalho e até em formas diferentes na área da cura e com esta ligação Saturno provoca disciplina, paciência, método que em outras áreas se fica pelo improviso. E aqui há outro pequeno pormenor, este desafiante por Úrano estar a fazer, ou ser desafiado pela Lua em quadratura na casa III, a casa natural de Gémeos, da comunicação simples, terra a terra e com esta Lua em leão em que há um Ego a dizer, a desafiar, a duvidar em relação ao trabalho, ao serviço que Úrano desempenha naquela casa VI, uma espécie de não vás por aí, é o desconhecido, é o velho do Restelo a dizer para a inovação, a oitava superior da mente aqui representada por Úrano. A dúvida que esse mesmo Úrano está a transmitir, a tentar, para abafar o velho Kronos, o senhor do Karma e do tempo. E mais, pois essa Lua desafiante do novo, do diferente, do universalismo de Úrano também ela está a ser desafiada por Pelotão que simboliza o velho Ego, que simboliza também a força da sobrevivência que numa primeira etapa da vida se identifica com a auto imagem e o poder do eu. Assim, essa carga emocional que vem dum Pelotão em Touro na casa XI, a casa dos outros, a casa de Úrano, e aí ele recebe os seus domínios por intermédio da emocional Lua, a influência do Ego, os medos, as dúvidas que irão povoar essa área de serviço, de inovação e de fantasma em fantasma, de mostrengo em mostrengo transporta durante a sua vida.
    O poeta simbolizou e o povo lamentou, lamentou e a Maria Parda arrastou pela pena de Mestre Gil. Lamentos!
    E mais, nesta certidão de Nascimento.
    Ao olharmos para a cúspide da casa XII, a casa onde se chega e onde se prepara a partida para a próxima jornada. A casa natural de Peixes, trata da saúde psicológica em relação aos outros, bem como da saúde e desenvolvimento da sociedade como um todo. É ela, a XII casa que rege a mente inconsciente feita de experiências e atitudes emocionais.
    O grande problema da casa XII é a possibilidade de bloqueios emocionais e dalgumas respostas automáticas que podem ser inconvenientes e em determinadas situações. É o buscar o prazer e evitar a dor.
    As experiências emocionais guardadas podem conduzir à autopiedade em vez de atender ao tempo presente e a encarar as realidades.
    Por outro lado, a sabedoria existente na XII casa pode levar a uma grande compreensão. Peixes são o seu regente natural e todos os planetas associados a Peixes estão intimamente ligados ao princípio do amor universal e na sua expressão mais elevada do amor é a empatia indicada pela exaltação de Vénus em Peixes e desta compreensão solidária vem a generosidade para com os menos afortunados.
    Vénus rege Touro que forma a cúspide da XII casa. Assim, como Vénus está na 9ª casa em Aquário a informação a colher é o último medo a vencer está na casa 9 que é a da fé, da filosofia, dos Estudos Superiores e aquela que nos indica onde está o estrangeiro, logo, o último medo está bem longe do ponto de partida, das praias de Portugal e para parafrasear outro dos nossos poetas que disse não ser ?impunemente que se nasce nas praias de Portugal?.
    Assim, mais uma vez nos viramos e rumamos para bem longe, para o sítio onde aparecem os mostrengos, enfrentando-os, vencemos os nossos medos, o último. Há mais, esta Vénus de casa 9 é o último no do Ego que impede a realização da rendição da personalidade à Alma, a entrega incondicional do Eu à Vida e sem esta experiência de anulação do Ego na XII casa não se nasce mais ao lado no ascendente para uma verdadeira identidade desta incarnação. Como bem diz a Maria Flávia Monsaraz, citando os mestres da Alquimia, cada Homem nasce 2 vezes. Primeiro para a vida biológica, afirmando-se através da identidade da sua última vida com o Quem Fui ? Depois para o Espirito, morrendo para a sua antiga identidade, e nascendo como alguém novo, ainda desconhecido com o Quem Devo Vir a ser.
    Este é o mistério que envolve a passagem da casa XII para a casa I.
    O nascimento nesta vida. A passagem do Karma para o Dharma.
    E aqui encontramos o ascendente a 2 graus de Câncer. O início.
    O primeiro fôlego, a primeira inspiração, o contato com o mundo, o como me apresento. O ascendente é o modo, o símbolo como a personalidade se exprime espontânea e naturalmente no momento em que Portugal se apresenta ao mundo com o ascendente Câncer, trás consigo as emoções, a água donde todo o ser vivente surgiu e por acréscimo a Mãe.
    Diz a experiência que essa criança veio, a criança nascida com o ascendente em Câncer, veio para esta vida com uma missão de exprimir prudência e cautela e com uma imensa necessidade dos espaços mais íntimos para manifestar o seu imenso potencial.
    Retrai-se enquanto não se sente à vontade no meio ambiente onde se encontra, e só depois se torna mais natural e dá azo a todo um potencial que lhe vai na natureza mais profunda. Verificamos isso no modo como se tornou vagamundos sem se dar ares demasiados e só quando as suas raízes se sentem seguras, aí, sim, se exprime.
    Precisa de bases sólidas e depois de as ter vem o contato inconfundível, a comunhão.
    E isto porque Câncer é água, o elemento mais poderoso, o dador de vida, aquele que é o mais flexível, aquele que se adapta ao meio ambiente e ao vaso onde se encontra. Tem o objetivo de atingir o mar e para isso pode tomar as mais diversas formas. Evapora, penetra profundo no elemento Terra ou arrasta-o quer em catadupas, quer congelando. O importante é atingir o oceano, o que acaba sempre por acontecer.
    Assim, quando nasceu e abriu pela primeira vez os olhos, viu o mar.
    Logo ali encontrou o seu Alfa e o seu Ómega.
    E mais, esse ascendente indica o modo como nos fundimos com a vida no mundo exterior, sempre que a nossa energia se pode manifestar de modo natural. E nasceu pequeno, como se deve nascer, ali entre o Minho e o Mondego, recebendo ajudas que vieram do mar para que o seu corpo se fosse alargando, crescendo, fazendo-se gente e depois dum pequeno arroteamento, molhou os pés lá mais abaixo no mar e decidiu que era altura de atravessar a rua.
    Foi até causa onde começou uma aventura inquietante e sempre em contato com a água que está presente desde o seu primeiro fôlego.
    E mais, o planeta regente deste Câncer é a Lua que vamos encontrar em Leão na 3ª casa, a casa das comunicações simples.
    Ali a lua confere sensibilidade, imaginação à mente lógica e racional.


    É a casa da comunicação simples, dos amigos e das pequenas viagens o que parece um contrassenso numa criança que acaba de nascer para fazer grandes viagens.
    Serão as viagens dentro do rincão Natal? Para casa do vizinho do lado. Ou talvez seja justificativo da nossa tão querida e temida palavra Saudade?
    Tem certamente o talento para desenvolver e comunicar as suas ideias e conceitos e para isso, mais uma vez, precisa resolver os medos e inseguranças que lhe povoam a alma.
    Por vezes tem um assomo de dramatismo dado por essa mesma Lua em Leão e aí surge a representação, uma imagem muito profunda de identificação com algum modelo que a pessoa inconscientemente guarda bem no fundo de si e isto em função desse modelo arquetípico.
    Esta Lua tem a particularidade de estar conjunta, de caminhar com o Nodo Norte, ou seja, o objetivo de vida. O seu Dharma como é dito em sânscrito, o seu karma ou memória do passado.
    Assim, o Nodo Norte ou cabeça do dragão, é o propósito da sua, dele Portugal, experiência. O objetivo a atingir.
    O que veio trazer á vida.
    Como é sabido o signo e casa de cabeça do Dragão é onde a expressão da individualidade atinge a máxima criatividade e poder de intervenção.
    Como ele se encontra na casa 3, a casa da comunicação simples, dos amigos e vizinhos, existe nesta criança uma atração pelo desconhecido, pela aventura ou uma atração por aqueles temas simples de sabedoria.
    É quando a criança Portugal se encontra consigo mesma naqueles momentos de abandono, descobre a ancestral necessidade de comunicar com o seu meio envolvente, com as suas serras, ou rios, ou planícies ou na contemplação do mar que diante de si se estende onde quer que esteja.
    O Portugal que viaja sempre no coração dos seus filhos ainda que por longes terras se misture, se dê e se modifique, leva sempre consigo o seu momento de nascimento, as suas emoções e toda uma carga de


    experiências que ao longo do seu percurso se têm ajuntado a si, quer elas sejam helénicas, ou godas, ou celtas, ou de gentes outras, ele sempre as modificou no seu ser mais profundo e elas, essas culturas e experiências, sempre têm lucrado com esta profunda maneira de estar, que vem dum nascer na água e de propósitos universais ainda que muito modestamente tenha dado ao mundo um império artesanal ou, como disse o embaixador Álvaro Guerra, o mais artesanal dos impérios feito, tantas vezes, duma generosidade que só nós entendemos.
    -----------------------------------------------------?----------------------------------------
    Vamos então espreitar este 2015
    Vamos começar por Marte que tem este ano um percurso pelas casas X ? XI ? I ? II ? III e IV afetando com a sua ação dinâmica o Atattus, os outros, o oculto, o ascendente, a I casa do Eu, a II casa dos teres e haveres, a III casa da comunicação e a IV casa do lar/família, ou seja, percorre 7 casas.
    Neste momento e até ao final de Fevereiro ele está na casa do Stattus e a sua ação vai centrar-se num esforço e luta.
    Vai projetar a ambição pessoal nas pessoas e exige reconhecimento pelas suas obras.
    Há nesse percurso uma necessidade de conquistar um lugar entre os seus pares através das características pessoais e com um caminho doloroso.
    Poderá ter atritos com os seus pares.
    Tende por vezes a manifestar-se de forma temperamental ou então a guardar a sua raiva provocando crises de forma implosiva, autossacrificando-se
    E
    Para Março/Abril
    Esse Marte se não for bem controlado pode dar asneira, ou coisa pior que isso!


    Ele está na casa dos outros, na casa dos sonhos de transformação da sociedade e vai fazer uma conjunção com Plutão que por sua vez está em ligação tensa com a Lua, o que poderá dar um confronto de difícil solução.
    Aqui, e sem mais delongas, poderá dar-se algum acto ou actos violentos.
    Extremamente violentos.
    Podem dar-se acções temerárias.
    Para Maio/Junho
    Ele está na XII casa que é a casa das coisas ocultas, escondidas e que também dá energia para as grandes causas que incluam os outros com o seu apoio e colaboração.
    A tendência para o confronto de modo a ferir os outros das mais diversas formas ainda que os ideais nem sempre estejam definidos claramente.
    É o que vamos receber, isto a par de golpes por debaixo da mesa, pois esta casa é das coisas escondidas, ocultas.
    Vamos ter esses dois meses povoados disso!
    Para Julho
    Na I casa QUE COINCIDE COM O MAPA DE Portugal e o percurso de Marte por câncer, vamos assistir a ações de impaciência e necessidade de realizar desejos pessoais.
    Especialmente neste mês a vida é vista como se fosse um campo de batalha, onde há uma imensa necessidade de mostrar valor.
    As emoções estão ao rubro durante este período.
    E
    Para Agosto/Setembro
    Aqui ele, Marte está na 2ª casa, a casa dos teres e haveres e é a altura de ação, ação e palavreado.


    Vem ao de cima o velho sentido de querer possuir e uma imensa necessidade de reconhecimento em relação às tarefas que este nosso vetusto quer realizar.
    Aqui também vai fazer uma conjunção com o seu Marte natal que está em Leão.
    Poderá acontecer nos dias desta conjunção que o Marte natal acione a sua ligação com Mercúrio e Saturno e haja alguma acalmia e bom senso.
    Esperemos
    E Para Outubro
    Na casa III ele está apostado em dialogar e levar o trabalho muito a sério e podem aparecer bons executantes se se souber onde os encontrar.
    É a altura de planear para longo tempo e colocar em ação tudo aquilo que se pensa.
    Poderão surgir casos de confusão emocional a tentar travar o caminho de Marte.
    E
    Para Novembro/Dezembro
    Na IV casa há a necessidade de procura de justiça nas relações com os outros.
    Abordamos também Júpiter que neste momento está em Leão, retrogrado, permanecendo aí até 7 de Abril e depois retomando a marcha direta até 11 de Agosto onde no dia imediato entra em virgem.
    Júpiter é o planeta da expansão.
    Ele expande tudo onde toca.
    Se positivo, ele alarga os ideais e os horizontes, a autoconfiança e a fé.


    Se estiver aflito - como se dizia na antiga astrologia ? dá capricho e arrogância, especialmente neste percurso em Leão.
    Este permanece cerca de 1 ano em cada signo e nessa ação ou realça, realça sempre, todos os fatores sob o seu raio de ação.
    Portanto, até Agosto ele expande os Egos e só depois se dedica aos pormenores, à objetividade e à precisão da Virgem.
    Ele busca a atenção sobre si mesmo, e, curiosamente só acredita no que vê enquanto está em Virgem e isto durante um ano.
    Adivinham-se extremismos!...
    E agora vamos ao velho Saturno
    Saturno em trânsito por Sagitário encontramo-lo no mapa de Portugal a que já me referi na casa VI.
    A casa do Serviço e da Saúde.
    Quando Saturno está numa casa, e está sempre em alguma, indica sectores da vida onde a pessoa precisa aprender a agir com disciplina.
    Forçamos a amadurecer.
    Ao mesmo tempo que nos signos mostra a possibilidade de enfrentar dificuldades e limitações.
    Assim, Saturno em Sagitário convida-nos à disciplina, à meticulosidade e profundidade na concentração.
    É altura de pôr em prática o que se aprendeu.
    Convida-nos a baixar o ritmo e concentra a experiência.
    Leva-nos a enfrentar os medos ainda que estes possam ser terríveis, só que se trata de uma ação necessária para a auto consciência ainda que possa parecer que nos limita e condiciona e é frustrante.
    Se olharmos bem, durante esse trânsito, vem ajudar-nos a reforçar a nossa confiança em relação às coisas dessa área visada pelo trânsito.


    Os trânsitos de Saturno vêm moderar tudo o que é excessivo na vida, tal como o orgulho, dependência e até mesmo a fé que se apresenta de modo excessivo.
    Saturno é o Juiz para quem o tempo não conta.
    A nível físico até criou, existe, um cinturão de asteroides, para que se páre e se apresentem as cartas.
    E olhando novamente para o nosso modelo tridimensional verificamos que o individuo nascido neste terceiro calhau a contar do Sol, que a sua orbita, recebe logo ali dela as emoções que são o primeiro contato no momento da primeira inspiração e ao mesmo tempo que se dão os primeiros vagidos, ali em frente, grande, o Sol oferece-nos o Eu, a personalidade que está envolta pela Mente como dádiva de Mercúrio e mais ao lado Vénus com o seu sentido de posse mostra os seus valores.
    Um pouco mais longe, Marte, fornece a sua ação, iniciativa para depois caminharmos para Júpiter onde a fé, a expansão nos dão ainda mais dimensão.
    A seguir vem a sala de exame, Saturno!
    Examina tudo o que temos na nossa mochila, de modo austero, por vezes frio, ordenado, meticulosos e alerta-nos, convida-nos a fazermos também nós, um exame às nossas capacidades antes que possamos dirigir e interagir com Úrano, os outros, aquilo que é o universalismo, a libertação e chama-nos a atenção para um pormenor importante.
    Aquilo que transportamos tem duas faces e com essa moeda pagamos ao banqueiro para nos levar, e muitas vezes acontece para a toca do coelho, a da Alice no País das Maravilhas.
    Claro!...
    Então o que é que podemos esperar deste trânsito ao nível do País?
    Recordo que ele dura, incluindo o recuo e estada de 3 meses em Escorpião, três anos.


    Aceitando o convite de Saturno em Sagitário vamos ter que pensar seriamente em duas áreas.
    A da Saúde e a do trabalho.
    Na área da saúde ele convida a olhar para todos os aspetos fazendo, ainda que isso doa, uma profunda remodelação adequando os serviços às necessidades, por exemplo, o afluxo de pessoas às urgências hospitalares com os dramas que têm acontecido e onde encontram uma cadeira para passar largas horas.
    Saturno convida que haja uma modificação nessa área.
    E mais, que o pensamento mais presente nas pessoas e sistemas em que só se pensa na doença, se adequem às pessoas para pensarem na saúde.
    É um convite!...
    É altura de se pôr em prática o que se tem aprendido.
    Em relação ao trabalho este Saturno em Sagitário e na casa VI vem dar-nos, ou melhor, vem dizer e forçar a que o trabalho feito com disciplina e de maneira meticulosa, e a nível do País como um todo, que tem que ser levado muito a sério e neste caso especial o País e os seus governantes recebem aqui um cartão amarelo para que se disciplinem pois que Saturno de acordo com os seus méritos nunca deixa de cobrar responsabilidades e quando há negligência ou menos verdade ele, Saturno, deixa cair a sua desgraça.
    Por isso é o País que sofre os maus tratos.
    Quando retrograda para Escorpião vais dar a última oportunidade durante 3 meses e aí toca em Úrano da carta natal que por sua vez está ligado harmoniosamente a Saturno natal na casa do Stattus.
    Vai dar a última oportunidade, dizíamos, a que nesse período se preparem e estruturem as coisas dos trabalho a fazer com rigor, com a perspetiva do futuro que Úrano nos trás, para que o percurso em Sagitário, seja de rigor e disciplina e concentração nos objetivos.


    Na nossa perspetiva, Saturno este ano vem exigir que o País como um todo exija àqueles que o governam, o façam com sobriedade, competência e visão mais larga.
    Porque ele está durante 9 meses em Sagitário e Sagitário aponta o horizonte, o ir mais além.
    E vai ser rigoroso no seu julgamento.
    Não Esperemos facilidades.
    Aceitemos o rigor e nessa aceitação aliámo-nos a Saturno que é como Amigo absolutamente inestimável e só a sua aceitação perante algo de profundo nas estruturas quaisquer elas sejam.
    Saturno como juiz implacável é justo.
    E é disso que o País precisa.
    ----------------------------------------------?------------------------------------------------
    Olhando agora para Úrano que está em Carneiro e no mapa de Portugal este ano está na sua casa de regência, ou seja, na casa XI.
    Úrano em Carneiro diz-nos que aparecerão pessoas que indicam novos caminhos sociais e científicos.
    Traz coragem, audácia e iniciativa.
    E aqui precisamos ter cautela com as aventuras de Marte que passa por esta casa.
    --------------------------------------------------?---------------------------------------------
    Neptuno em Peixes no mapa de Portugal está este ano na casa X e em signo de regência, logo, está forte nesta casa de stattus e onde ele se encontra há a necessidade de agir com altruísmo e amor impessoal.
    Fatores intuitivos desempenham um papel importante na zona da carreira exigindo também sacrifícios pessoais para atingir metas.
    Plutão está em Capricórnio e no mapa de Portugal está na casa VII.
    15
    Indica-nos que podem haver reações, e injustiças.
    Indica-nos que devemos compartilhar a iniciativa e a responsabilidade.
    ---------------------------------------------------?----------------------------------------------
    Peço que me desculpem por ter abusado da vossa paciência.
    Este 2015 vai trazer-nos mais rigor nas nossas vidas.
    Somos células dum corpo, dum velho corpo, a ação de cada um de nós é importante para a saúde da velha carcaça.
    E lembro o que Paracelso disse acerca dos Astros, que estes não obrigam, indicam.
    Muitos de nós temos a secreta esperança que esteja errado o Príncipe da Lampeduza quando disse acerca da reunificação italiana.
    ?É preciso que algo mude para que tudo fique na mesma?
    Obrigado

    Fonte: http://bardoalem.blogspot.com/2015/02/previsoes-astrologicas-para-portugal.html

    Tertúlia do de Fevereiro...2015, data sabado 21, com o Dr SERGIO DOMINGUES sobre a TEORIA DAS 5 TRANSFORMAÇOES - 28Jan2015 21:14:00



    Os Ciclos Económicos e a Teoria das Cinco Transformações   
     
    Almoço debate as 12h de sábado dia 21 de Fevereiro     
    Inscrições limitadas 
    orador Dr Sérgio Domingues
    economista e autor de varias publicações
    Moderador, dr Luís Nandin de Carvalho
    Menu
    Entradas variadas, prato principal a indicar, sobremesa surpresa, vinho regional de Alenquer, café, sumo. tudo incluído com IVA a 23%:20?/pax.
    Inscrições por email: bar.do.alem@gmail.com
    confirmação de reserva através do NIB 0033.oooo.4541.5435.8910.5
     
    Prever o início e o fim das crises económicas, o início e o fim dos períodos de prosperidade é algo que os economistas procuram sem êxito há mais de 150 anos. Conhecer com vários anos de antecedência as tendências do comportamento da economia mundial ano a ano, é ideia que dificilmente passaria pela cabeça do mais ousado. O autor deste livro afirma ter-se apercebido de que, na antiguidade, foram usadas técnicas extremamente simples e eficazes de previsão, defendendo que algumas dessas técnicas fizeram parte da capacidade de prever o futuro que notabilizou os profetas, não a sua santidade ou religiosidade, atributos que só lhes foram associados porque o homem comum não entendia que se pudesse prever efectivamente o futuro sem se ser santo ou falar com Deus.
     
     
    Desde 2008 que Sérgio Domingues alerta para o advento de uma crise económica profunda.
     
    A crise económica ainda nem sequer começou"

     É com enorme espanto que se lê "Os Ciclos Económicos e a Teoria das Cinco Transformações", da autoria de Sérgio Domingues. Este licenciado em Finanças pelo Instituto Superior de Economia e Gestão, considerado jovem empresário de elevado potencial em 1986, publicou em 2003 um livro no qual previu a crise actual. "As minhas previsões resultam do estudo dos ciclos de crise e prosperidade do passado da economia mundial, efectuado à luz de uma teoria oriental com mais de 5 mil anos que se baseia nos conceitos de Yin e Yang - expansão e contracção - aplicados a todos os fenómenos da natureza, a que alguém resolveu chamar ?teoria das 5 transformações", explica o autor. Energia é a chave desta tese que pode ser resumi-da no célebre pentagrama de Pitágoras, Salomão e outros sábios da antiguidade, e que origina um calendário preciso para os ciclos de expansão e de contracção, que se ajustam na perfeição aos ciclos económicos curtos de 9 anos, os ciclos de Juglar.
     
    Segundo a teoria, 2008 é um ano de energia instável. "Neste e no próximo ano, as perspectivas de lucros chorudos em negócios especulativos e outros que tais podem redundar em grandes desilusões", avisa o estudioso. "São possíveis situações de pânico, que poderão ter grande influência na economia real", lê-se, entre outras afirmações que assentam como uma luva na actual realidade económica. Para o autor, 2008 é o início da fase descendente do ciclo de 9 anos iniciado em 2004. O ano de 2009 "será o ano de todos os sustos e pânicos financeiros que, como já vimos, sobretudo nos Estados Unidos, têm grande repercussão na economia real". Porém, "a crise da economia real, caracterizada pela quebra acentuada do consumo, do emprego e da produção só começará em 2010 e vai ficar até 2013", diz Sérgio Domingues. Segundo este, só depois se iniciará um novo ciclo de 9 anos e, em 2037, aí sim, o mundo sofrerá a pior crise desde a Grande Depressão de 1929.

    ?


    Fonte: http://bardoalem.blogspot.com/2015/01/tertulia-do-de-fvereirodata-sabado-21.html

    ASTROLOGO HELDER LOBO dia 24 de JANEIRO na TERTULIA DO BAR DO ALEM:Previsoes para 2015 - 31Dez2014 15:36:00


     
     
    Amigos e Associados do Clube Tertúlia do Bar do Alem,
    E com o maior gosto que no final da época festiva que atravessamos, que retribuímos os votos de boas festas que nos endereçaram, e que reciprocamos com os mais sinceros desejos de um Bom Ano Novo, que deixe para trás, no Velho Ano Mau, todos os desencantos, e dificuldades que atravessámos.
    Contamos durante 2015 desenvolver à semelhança do que tem vindo a acontecer desde há mais de treze anos, os nossos almoços debate sobre temas do "O OCULTO AS CLARAS" com o apoio de oradores descomprometidos, mas de referência que nos dão luz sobre o que queremos aprender e conhecer.
    Coma Presidência de Manuel Marcelino Pena e Costa e o secretariado de Luís Nandin de Carvalho, e o respetivo  apoio familiar empenhado, contamos com a Logística e colaboradores do Alenquer Camping, para dar seguimento a propostas de convites de novos oradores e de abordagem livre de novos temas, que incluam a metafísica, a filosofia, a historia, o esoterismo, e o simbolismo que caracterizam a universalidade da passageira condição humana.

    Temos assim o prazer de anunciar que desde já estão abertas as inscrições para a Tertúlia de dia 24 de Janeiro, sob a forma tradicional de um almoço debate sobre as previsões do ano 2015, com início as 12h, com o custo por pessoa de 20 euros , a refeição completa incluindo o incontornável IVA de 23%, valor que se solicita seja liquidado no momento da inscrição por transferência bancaria para o NIB 0033.0000.4541.5435.89105, coma indicação do nome.

    24 de Janeiro
    sábado, 12h, em Alenquer
    tema: Previsões astrológicas para 2015
    Orador: Astrólogo HELDER LOBO
    Apresentação : Marcelino Pena e Costa
    Moderador: Luís Nandin de Carvalho
    Menu completo 20? (a indicar)
    Lotação limitada

    Notas do SAPO....

    De 23 de Dezembro de 2014 a 20 de Dezembro de 2017, o planeta Saturno atravessa o signo Sagitário. Quais as propostas de mudança tanto a nível coletivo como pessoal, deste trânsito? O que aconteceu durante as recentes ocorrências desta efeméride? Qual a oportunidade evolutiva em causa, atendendo ao contexto mundial actual? (SAPO Lifestyle)
  • Saturno em Sagitário

    A entrada de Saturno em Sagitário, no dia 23 de dezembro de 2014 , ficando neste signo até 20 de dezembro de 2017 ( em 2015 volta a Escorpião de 16 junho a 17 setembro 2015) vem punir, vem aplicar as leis de tal modo que atingirá todos sem distinção, ou não seja o senhor do karma. (Heloísa Miranda)


  • --
    A Tertulia do Bar do Alem é um Clube cultural sem fins lucrativos, presente no blog: http://bardoalem.blogspot.com  A tertúlia é patrocinada pelo Grupo Dosdin, www.dosdin.pt  em especial pelo alenquer camping http://dosdin.pt/camping/?page_id=6 e ainda pelo Resort e Quinta Ecológica de Pedrógão do Alentejo em http://www.dosdin.pt/camping/alqueva   


    Fonte: http://bardoalem.blogspot.com/2014/12/astrologo-helder-lobo-dia-24-de-janeiro.html

    A Mensagem do PAPA FRANCISCO analisada e explicada por Dom Manuel Clemente, Cardeal Patriarca de Lisboa - 19Out2014 22:17:00

    22 de Novembro, sábado as 12h
    Almoço debate na
    tertúlia do Bar do Alem, em Alenquer
    TEMA: a Mensagem do Papa Francisco
    Orador: Don Manuel Clemente, Cardeal Patriarca de Lisboa
    Moderador: Luís Nandin de Carvalho
    Lotação imitada, com preferência aos Membros por antiguidade
     
     


    Francisco (em latim: Franciscus)[3] , nascido Jorge Mario Bergoglio SJ (Buenos Aires, 17 de dezembro de 1936) é o 266.º Papa da Igreja Católica e atual chefe de estado do Vaticano,[4] sucedendo o Papa Bento XVI, que abdicou ao papado em 28 de fevereiro de 2013.
    É o primeiro papa nascido no continente americano, o primeiro pontífice não europeu em mais de 1200 anos[5] e também o primeiro papa jesuíta da história. Tornou-se Arcebispo de Buenos Aires em 28 de fevereiro de 1998 e cardeal-presbítero em 21 de fevereiro de 2001, foi eleito papa em 13 de março de 2013.



    D. Manuel José Macário do Nascimento Clemente GCC (Torres Vedras, São Pedro e Santiago, 16 de Julho de 1948) é um bispo católico português, 17.º e atual Patriarca de Lisboa, com o título de D. Manuel III.

    Vida Eclesiástica
    Após a sua ordenação prebiteral, desempenhou as funções de vigário paroquial coadjutor nas paróquias de Torres Vedras e Runa até 1980, quando foi nomeado para a equipa formadora do Seminário dos Olivais. Foi nomeado cónego da Sé Patriarcal em 1989. Entre 1989 e 1997 foi vice-reitor deste seminário e em 1997 foi promovido a reitor, sucedendo na altura ao recém nomeado arcebispo coadjutor de Lisboa, D. José da Cruz Policarpo. Foi coordenador do Conselho Presbiteral do Patriarcado 1996 e coordenador da Comissão Preparatória da Assembleia Jubilar do Presbitério para o ano 2000. É autor de uma vasta obra historiográfica, com destaque para títulos como: Portugal e os Portugueses e Um só propósito publicados em 2009 e Igreja e Sociedade Portuguesa, do Liberalismo à República.

    Fonte: http://bardoalem.blogspot.com/2014/10/a-mensagem-do-papa-francisco-ansliada-e.html

    a 18 de outubro....Jose Ruah...anima almoço debate no Bar do Alem sobre Festividades Judaicas - 23Set2014 16:29:00


    Convite/informação
    Alenquer, Bar do Alem
    EN nº 9, KM 94- Porto da Luz
    orador JOSE RUAH
    tema: Festividades Judaicas
    Moderador Luís Nandin de Carvalho
    início pelas 12h
    menu da refeição tudo incluído 20?/pax
    reservas pelo email bar.do.alem@gmail.com
     
    Jose Ruah
     
     
    Cuuriculum sumario:
    Cargo
    Owner at JSR - Saude, Lda
    Informações demográficas
    Lisboa e Região, Portugal | Atendimento médico e hospitalar
    Anterior
    Owner at JSR - Saude, Lda, Owner at Self-Employed, Executive Director at Cast, Lda, Chief Operations Executive at British Hospital - Lisbon XXI, ...
    Formação acadêmica
    Liceu Frances Charles Lepierre, Universidade Internacional
    Resumo
    Larga experiencia na Gestão de Unidades de Saude, cobrindo as areas operacionais, negociais e de tecnologias de informação. Analise de projectos ...
     
     


    Fonte: http://bardoalem.blogspot.com/2014/09/a-18-de-outubrojose-ruahanima-almoco.html

    Recomeço tertúlias do Bar do Alem : os Templários, 700 anos depois das perseguições de que foram alvo... - 01Set2014 17:54:00



    regressam as tertúlias do Bar do Alem....
    Convite/informação
    almoço debate
    sábado 20 de Setembro as 12h
    ORADOR: CORONEL JOAO FERNANDES
    tema:  os Templários 700 anos depois de perseguidos em 1314
    moderador: Luís Nandin de Carvalho
    Local: tertúlia do Bar do Alem
    EN Nº9 Km 94 (Alenquer camping)
    menu do almoço debate, tudo incluído 20?/pessoa, tudo incluído  (em preparação)
    Lotação limitada, inscrições previas indispensáveis bar.do.alem@gmail.com
    pagamento por transferência bancaria ...ate 23% de IVA...
    NIB 0033 0000 4541 5435 89105


    Fonte: http://bardoalem.blogspot.com/2014/09/retoma-das-tertulais-do-bar-do-alem-20.html

    Eduardo Roseira
    Membros
    Regista-te e participa neste projecto Basta inserir o email e começares a tua participação. Boas navegações pela Lusofonia

    Email:
    Painel controlo
    • Email:
    • Palavra-passe:
    • Lembrar dados
    • Ir administraçào


    Sondagens
    E qual a sua apreciação sobre a Revista?
    Muito boa
    Boa
    Assim, assim
    Muito Má
    Mil e um

    avkd

    gov

    agostinhodasilva

    fausto

    poesia

    as-artes
    MIL
    ©2018, BlogTok.com | Plataforma xSite. Tecnologia Nacional